Rádio Observador

França

Antigo guarda-costas e conselheiro de Macron detido. Terá usado passaportes diplomáticos para benefício pessoal

Alexandre Benalla começou por ser suspenso de funções por ter sido filmado a agredir uma pessoa numa manifestação. É suspeito de ter usado "perto de 20 vezes" documentos oficiais já depois disso.

Alexandre Benalla jurou perante o senado que não tinha usado qualquer passaporte diplomático ou documento de serviço para viajar para o Chade, em dezembro

BERTRAND GUAY/AFP/Getty Images

O antigo guarda-costas e assessor de segurança do presidente francês Emmanuel Macron, Alexandre Benalla, foi detido por suspeitas de utilização de passaportes diplomáticos e documentos oficiais do Governo para benefício pessoal. Benalla tinha sido acusado esta quarta-feira pelo chefe de gabinete de Macron, Patrick Strzoda, de ter utilizado passaportes oficiais depois de ter sido suspenso de funções “perto de vinte vezes”. A última suspensão de Benalla aconteceu depois do vídeo em que vê a agredir um manifestante no feriado de 1 de maio do ano passado.

A história é recambolesca e as versões sobre o “caso Benalla” contraditórias. A polémica surgiu quando o jornal francês Le Monde e o site de investigação jornalística Mediapart revelaram que o antigo conselheiro de Macron teria viajado com estatuto oficial à República do Chade, em África, mais de três meses depois de ter sido suspenso de funções. No Chade, para onde viajou no passado 5 de dezembro num jato privado com uma pequena comitiva, Benalla reuniu-se com líderes políticos e económicos africanos, incluindo o presidente do país, Idriss Déby.

Inicialmente pensou-se que se trataria de uma espécie de “diplomacia paralela”, o que levantou suspeições sobre o próprio Governo francês. A versão foi aliás corroborada no Senado pelo próprio Alexandre Benalla, que disse sob juramento e perante uma comissão de inquérito, a 19 de setembro, que se tratava de uma viagem de negócios. Garantiu também que não só não usou um passaporte diplomático para a viagem, como não o tinha sequer consigo. Os passaportes estariam ainda nos seus escritórios no Palácio do Eliseu, segundo sabia.

A versão foi recusada pelo chefe de gabinete de Emmanuel Macron. Patrck Strzoda garantiu que foram feitas buscas nos antigos escritórios de Benalla, já depois da viagem deste ao Chade, e não foi possível encontrar os documentos. Strzoda acusou Benalla de ter usado “perto de vinte vezes” documentos diplomáticos e oficiais em viagens a título pessoal. Viagens que o Governo francês garante não ter estado a par.

No seguimento da polémica, a 29 de dezembro, o Ministério Público francês abriu uma investigação por “abuso de confiança”, “uso ilegal de um documento válido apenas para assuntos profissionais” e exercício de atividades privadas recorrendo a um estatuto de detentor de cargo público e governativo.

O chefe de gabinete de Macron e o Ministério dos Negócios Estrangeiros francês recusam ter estado a par da utilização de passaportes oficiais por parte de Alexandre Benalla, que terá até pedido a renovação de documentos já depois da sua suspensão de funções.

O Governo francês não fica isento de falhas:o  Ministro dos Negócios Estrangeiros Jean-Yves Le Drian confessou não ter sido “informado a tempo da suspensão de funções” do antigo conselheiro de Segurança e o chefe de gabinete do presidente francês avançou que alguns documentos oficiais de Benalla foram obtidos devido a “uma falha” do sistema. Também estranha é a informação já confirmada de que o embaixador francês em N’djamena, no Chade, esteve a par da visita de Benalla, em dezembro passado. O embaixador “não considerou necessário reportar a visita”, lamentou o Ministro dos Negócios Estrangeiros de França, que só terá descoberto tudo perto de três semanas depois, quando o próprio Macron se deslocou em visita oficial ao Chade.

Alexandre Benalla foi ainda acusado pela equipa de Macron de ter forjado uma nota manuscrita e de ter também entrado em Israel com o seu passaporte diplomático.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)