Solidariedade

Fernando Santos vs. Jorge Gabriel. Foram 5 contra 5 e no final ganhou a solidariedade

291

O Observador esteve presente no "Jogo das Estrelas: Golos por Moçambique", torneio de futebol que juntou celebridades como o humorista Luís Filipe Borges, o ator Nuno Janeiro e Pedro Lamy.

“António, é hoje! É a nossa oportunidade de nos mostrarmos ao mister!”/”Que espetáculo!”

Estas palavras foram trocadas entre dois rapazes, que não deviam ter mais de 13 anos e estavam profusamente transpirados, ao ver passar Fernando Santos, o selecionador nacional. O dia podia estar cinzento e chuvoso mas quando o “mister” chegou ao Clube Xénon, em Lisboa, tudo isso deixou de interessar às dezenas de meninos que, à semelhança destes dois, participavam no torneio de futebol solidário “Jogo das Estrelas: Golos por Moçambique”.

Esta iniciativa, que foi organizada pela associação cristã ligada à Prelatura da Opus Dei e feita em parceria com a Harambee África Internacional (organização de caridade que apoia crianças órfãs de vários países africanos) tinha começado “por volta das nove da manhã”, contou ao Observador Jorge Oliveira, um dos responsáveis pelo evento, mas o ponto alto – ou pelo menos o mais esperado – só se iniciou três horas depois, quando as primeiras “celebridades” começaram a aparecer. Nomes como Jorge Gabriel, Luís Filipe Borges, Nuno Janeiro, Pedro Lamy e o treinador da Seleção Nacional faziam parte da lista de convocados que, num “momento de intervalo” da competição entre os jovens, iriam ser divididas entre duas equipas que se defrontariam em nome da solidariedade.

Muitos acharam que Fernando Santos ia jogar, mas o selecionador disse “já não ter idade para isso”. Ficou onde se sente mais confortável: no comando tático. ©David Martins/Observador

“Achas que o mister vai jogar? Era mesmo fixe…”, perguntou um dos pequenos futebolistas. “Acho que sim! Vai jogar e treinar ao mesmo tempo!”, ripostou o seu colega. Todos – o Observador incluído – acreditaram que tal podia acontecer, que Fernando Santos podia mesmo regressar, ainda que por instantes, aos anos em que fazia a diferença dentro de campo e não na cabine. Mas não, tal não aconteceu. “Não, já não tenho idade para essas coisas! Vou ficar a controlar de fora”, atirou Santos, entre risos, durante uma pequena conferência de imprensa improvisada.

Nesses poucos minutos em que o selecionador respondeu aos jornalistas – menos àqueles que lhe perguntaram pelo Europeu 2020, esses foram ignorados por Santos, que afirmou “não é de todo o momento para falar disso” – fez questão de reafirmar o seu “total apoio” a causas como estas e a reforçar a ideia de que dá grande importância a “ações de solidariedade que ajudam os mais desfavorecidos”. Durante umas frações de segundo, alguns rapazes ficaram desapontados por saber que não iam partilhar as quatro linhas com o obreiro da vitória portuguesa no Europeu de França, mas isso rápida mente foi afogado pela excitação contagiante que se sentia no ar. “Vamos escolher as equipas, então?”, perguntou Jorge Oliveira. “Siga”, foi a resposta.

“Temos aqui esta pasta com vários papeis onde estão escritos os nomes dos jogadores. O Fernando e o Jorge vão tirando à vez e fazemos as equipas assim.”, sugeriu o mesmo Oliveira. Santos e o apresentador Jorge Gabriel, o outro “treinador” que iria participar no evento solidário, assentiram. Duas “estrelas”, duas crianças e um jornalista: Foi esta a constituição base de cada equipa. “Vamos começar?”, perguntou o árbitro, também ele um jovem. “Vamos a isso”, responderam todos em uníssono.

Jorge Gabriel e Fernando Santos foram os dois treinadores convidados. ©David Martins/Observador

Passes curtos, futebol bem disposto e muitos golos (terminou 7 a 8 para a equipa de Jorge Gabriel) foi aquilo que se pode ver durante os cerca de 45 minutos de jogo em que os olhos de todas as crianças presentes ficaram fixados no selecionador nacional,  mesmo tendo em conta que Santos manteve-se fiel ao estilo que costuma apresentar nos jogos “a sério”: silencioso, quieto e introspetivo, quase. Só saltava quando algum dos jogadores, fossem ou não da sua equipa, patinava no piso escorregadio – “Isto não é para se magoarem! Cuidado, hã!”, chegou a gritar –, ao contrário de Jorge Gabriel, que passou o tempo todo a dar indicações bem humoradas ao seus atletas (“Para trás também se joga!”). No final, todos estavam quase como os dois miúdos do episódio que abre este texto: “Com esperança de serem escolhidos para um jogo da Seleção Nacional?”, pode questionar o leitor. Não. Extremamente entusiasmados e… inundados de transpiração.

Por muito que Santos se tenha despedido do comediante Luís Filipe Borges, o guarda-redes da sua equipa, a dizer “Foste o melhor em campo pá! Grande jogo!”, e que oficialmente quem ganhou a partida foi a equipa de Jorge Gabriel, a solidariedade saiu como a verdadeira vencedora numa manhã diferente de sábado.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: dlopes@observador.pt
Solidariedade

Caridade com o dinheiro dos outros

Telmo Azevedo Fernandes
460

Quanto mais nos sentirmos roubados pelo Estado, menor a disposição em sermos solidários para com o próximo. E mais os beneficiários se sentirão no “direito” de ser ajudados, perpetuando a mendicidade.

Solidariedade

Servir é um poder? Por que interessa responder

Isabel Teixeira da Mota
118

Numa cultura como a nossa, que contrapõe mandar e servir, poder e obedecer, acabamos por assumir uma visão caricatural do serviço quando este é uma forma de relação que só os seres humanos podem ter.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)