Estados Unidos da América

Trump oferece acordo sobre imigração para acabar com “shutdown”. Democratas rejeitam

O presidente norte-americano ofereceu um "compromisso de senso comum" sobre a imigração para acabar com o "shutdown", que dura há quatro semanas. Uma das propostas tem a ver com os "Dreamers".

SHAWN THEW/EPA

O presidente norte-americano ofereceu um “compromisso de senso comum” sobre a imigração para acabar com o shutdown, que dura há mais de quatro semanas. Uma das propostas tem a ver com os Dreamers, as crianças que chegam ilegalmente ao país. Donald Trump quer dar mais três anos de proteção a estes imigrantes em troca dos 5,7 mil milhões de dólares que precisa para construir o muro na fronteira com o México.

Trump, que apresentou as medidas este sábado numa conferência de imprensa na Casa Branca, disse que o sistema de imigração dos Estados Unidos da América está “muito estragado” e que está a dar ao Congresso “um caminho para acabar com o shutdown do governo e resolver a crise na fronteira do sul”. O presidente defende que “há uma crise humanitária e de segurança” e que é preciso agir com urgência. Há “milhares de crianças que são exploradas por traficantes e cartéis” e “uma em cada três mulheres” é “alvo de agressão sexual no caminho até à fronteira norte-americana. “O nosso sistema de imigração devia ser um motivo de orgulho, não uma fonte de vergonha como é em todo o mundo”, afirmou.

De acordo com a CNN, as propostas do presidente, que Trump descreveu como um “compromisso de senso comum que ambos partidos deviam abraçar, incluem:

  • Três anos de alívio legislativo para 700 mil imigrantes protegidos pelo programa DACA, que protege crianças da deportação, incluindo acesso a autorizações de trabalho e a números de segurança social;
  • Extensão de três anos do Estado Temporário de Proteção;
  • Investimento de 800 milhões de dólares em assistência humanitária;
  • Investimento de 850 milhões de dólares em tecnologia de deteção de drogas;
  • 2.750 guardas de fronteira e outros profissionais;
  • Criação de 75 novas equipas de juízes para reduzir o número de casos de imigração nos tribunais.

O Partido Democrata já disse que não aceita as propostas de Donald Trump, que considera inaceitáveis. Num comunicado divulgado antes do início da conferência do presidente, Nancy Pelosi, líder da Câmara dos Representantes, afirmou que os democratas só aceitam negociar se Trump acabar com o shutdown. “Infelizmente, as primeiras informações que recebemos deixam claro que esta proposta é uma compilação de várias iniciativas anteriores que foram rejeitadas. Casa uma delas é inaceitável e, na sua totalidade, não representam um esforço de boa fé para restaurar a certeza na vida das pessoas. É pouco provável que alguma destas provisões passe na Câmara dos Representantes”, disse a democrata.

O governo federal dos Estados Unidos da América está parcialmente encerrado desde 22 de dezembro de 2018, como resultado da falta de entendimento entre os republicanos e democratas no Congresso, ou seja, as duas câmaras do sistema político norte-americano, e que têm como responsabilidade negociar e definir o Orçamento do Estado. É o mais longo shutdown da história do país.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)