El Chapo Guzmán

El Chapo deve conhecer sentença esta semana — e já se fala em absolvição

130

A sentença de El Chapo deve ser conhecida esta semana e a possibilidade de o líder do narcotráfico ser absolvido ganha forma. O júri entra esta segunda-feira no quarto dia de deliberações.

Mesmo que venha a ser absolvido em Nova Iorque, El Chapo continuará atrás de grades e com quatro julgamentos noutros estados pela frente

ALFREDO ESTRELLA/AFP/Getty Images

O barão do narcotráfico Joaquín Guzmán, mais conhecido como El Chapo, deverá conhecer a sentença do seu julgamento esta semana, no qual está a ser acusado de 17 crimes relacionados com tráfico e distribuição para os EUA de cocaína, heroína ou metanfetaminas, tal como vários homicídios.

E, de acordo com diferentes relatos que têm surgido nos media norte-americanos, a possibilidade de El Chapo vir a ser absolvido é, ainda que remota, cada vez mais real. Essa conclusão resulta de as deliberações para o julgamento de El Chapo, que decorre em Nova Iorque, estarem a demorar mais do que aquilo que era inicialmente esperado. Esta segunda-feira, começa o quarto dia de deliberações.

De acordo com a acusação, existe uma “montanha de provas” contra o ex-líder do cartel de Sinaloa. Nesta fase, explica o The New York Times, os 12 jurados deste caso — dos quais, por razões de segurança, nada se sabe além de serem oito mulheres e quatro homens — estão a percorrer uma lista com 53 linhas onde, a cada um dos casos em questão, deve ser preenchida uma das seguintes opções: “Culpado”, “Inocente”, “Provado”, “Não Provado”, “Sim” ou “Não”.

E, de acordo com aquilo que um dos jurados disse àquele jornal, essa tarefa tem sido tudo menos fácil, referindo que o debate entre aqueles 12 colegas tem sido “exaustivo”. “Alguma vez tentou meter três pessoas de acordo sobre tudo? Agora experimente fazer isso com 12”, disse um dos jurados ao The New York Times.

Um dos desafios para o júri é o facto de El Chapo só poder ser condenado em casos relacionados com uso de armas ou lavagem de dinheiro se, antes de tudo isso, forem provados os crimes relacionados com tráfico de droga. Outro é ainda a aparente falta de cooperação ou sinais contraditórios de algumas das 56 testemunhas ouvidas ao longo deste julgamento, iniciado em novembro.

A evidente demora do júri em terminar as deliberações deste julgamento — que ainda assim tem sido invulgarmente rápido, em parte porque El Chapo convocou apenas duas testemunhas — tem levado a defesa do barão da droga mexicano a especular sobre uma possível absolvição do seu cliente. “Se o caso fosse tão simples como o governo tem dito que é, o júri já estaria despachado”, disse à CNN o advogado de defesa Michael Lambert.

Mas a razão da demora do júri pode ser, pelo contrário, um último esforço para garantir que a condenação de El Chapo é infalível. Ainda assim, no improvável desfecho de vir a ser absolvido dos crimes em causa no atual julgamento, El Chapo não será colocado em liberdade. Isto porque, além dos crimes de que é acusado em Nova Iorque, o barão do cartel de Sinaloa é também acusado de outras ilegalidades nos estados da Califórnia, Flórida, Illinois e Texas. Por isso, independentemente do desfecho do atual julgamento — seja condenado ou não — é já certo que El Chapo tem pela frente pelo menos mais quatro julgamentos.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jadias@observador.pt
Desigualdade

Estudar é para todos?

José Ferreira Gomes

Todos os jovens merecem igual consideração e há que evitar oferecer diplomas sem valor futuro no mercado de trabalho. O facilitismo só vem prejudicar os jovens, em especial os socialmente mais frágeis

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)