Rádio Observador

Moção de Censura

Cristas: “O ilusionismo socialista chegou ao fim”

1.187

É a segunda moção de censura do CDS contra António Costa. Para Assunção Cristas, "o Governo está esgotado e o primeiro-ministro perdido". Parte das críticas da líder centrista foram apontadas à saúde.

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

À hora marcada, Assunção Cristas apareceu no púlpito para explicar os motivos da moção de censura e também a escolha do calendário, a seis meses das próximas legislativas: “O Governo não governa, está manietado”.

Depois do anúncio surpresa da moção de censura, esta sexta-feira em conferência de imprensa, a líder do CDS fez duras críticas ao Governo, ao primeiro-ministro e aos partidos da esquerda, que apoiam o executivo. Falou de “uma deriva ideológica da esquerda”, acusou António Costa de ter  colocado “o partido à frente do país” e de fazer “escolhas setoriais em vez de investir no interesse nacional”.

“O Governo está esgotado e o primeiro-ministro perdido”, declarou Cristas, dizendo que o executivo “cria problemas, mas que é incapaz de encontrar soluções”. Os adjetivos, esses, foram vários: um Governo “desorientado, desconcertado, sem ambição e sem programa”.

Um dos alvos preferenciais do discurso da líder do CDS, e que também está vertido no texto da moção de censura avançado pelo Observador, são os problemas no setor da saúde: “Este é o governo dos serviços públicos mínimos e da carga fiscal máxima”, atirou.

A presidente do CDS sublinhou a “má resposta” que o Serviço Nacional de Saúde (SNS) dá à população. E apontou para a sustentabilidade do SNS, referindo que “a dívida a fornecedores e credores disparou quase mil milhões de euros em três anos”.

A posição do Governo relativamente à ADSE também mereceu críticas por parte de Assunção Cristas. Depois das notícias dos últimos dias, que deram conta de que vários hospitais privados rasgaram os acordos que tinham com o subsistema de saúde, Assunção Cristas defendeu que a esquerda deixou a ADSE “chegar a um estado de rutura” e colocou os ”interesses dos beneficiários” em “segundo plano”.

As críticas à forma como o Governo gere o setor da saúde foram mais longe, com Cristas a afirmar que “a ideologia não pode estar acima da saúde dos portugueses”, nem pode ser uma “arma de negociação partidária”, referindo-se também aos partidos da esquerda.

Na declaração para justificar a moção de censura avançada pelo partido, Cristas acusou o Governo de apostar “nas meias verdades” e “na tradição da velha escola socrática”. Afirmou que “cresceram os impostos indiretos e as cativações”, e referiu os “mínimos históricos” de Portugal em termos de investimento público. Apontou aquilo que diz ser a “má gestão”, o “excesso de promessas” e o “sentimento de engano que se instalou” na sociedade, e que levou a um nível de “insatisfação social crescente” e a uma “contestação que não pára de crescer”.

Assunção Cristas defendeu também que “o que corre bem” não é mérito do Governo: “O que corre bem no país é apesar do Governo e não graças ao Governo”. E declarou que o “ilusionismo socialista chegou ao fim”.

A seis meses das próximas legislativas, a presidente do CDS acusou o Governo de eleitoralismo ao afirmar que “o único futuro em que pensam é o de outubro” e que “se este Governo e os partidos que o suportam já só pensam nas próximas eleições, então Portugal não pode ficar à espera”.

Nova moção de censura tem chumbo garantido

O debate onde o texto da moção vai ser discutido no Parlamento ficou marcado para a próxima quarta-feira. Na quinta-feira, está agendado o debate quinzenal com o primeiro-ministro.

Esta é a segunda vez que o CDS de Assunção Cristas apresenta uma moção de censura. E, tal como a primeira, dificilmente será aprovada. A primeira moção de censura dos centristas ao Governo aconteceu em outubro de 2017, depois dos incêndios que provocaram dezenas de vítimas mortais, e foi baseada nas falhas do Estado e na forma como o Governo lidou com os acontecimentos.

A moção de censura apresentada esta sexta-feira pelo CDS vai ter vida curta, já que ao Partido Socialista juntam-se os votos contra já anunciados de Bloco de Esquerda e PCP.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: iameixa@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)