Rádio Observador

Violência Doméstica

Advogado de Neto de Moura admite pedir indemnizações até 100 mil euros aos críticos

2.567

O polémico juiz Neto de Moura vai processar comentadores, políticos e humoristas que o "ofenderam". As "ações cíveis" implicam pedidos de indemnização entre 10 e 100 mil euros.

Ricardo Araújo Pereira é um dos visados do juiz Neto de Moura

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

O juiz Neto de Moura pode exigir até 100 mil euros às figuras públicas que considera terem-no “ofendido” com as críticas feitas aos seus polémicos acórdãos judiciais que envolviam casos de violência doméstica. Ao Diário de Notícias, o advogado de Neto de Moura, Ricardo Serrano Vieira, explicou como funcionarão os processos: “São ações cíveis com pedido de indemnização que serão interpostas. Não está definido nenhum valor, nem existe nenhuma tabela, mas os valores que têm sido aplicados em tribunais portugueses, em casos semelhantes, apontam para quantias entre os 10 mil e os 100 mil euros“.

Estas ações, por serem cíveis, não estão submetidas ao prazo de seis meses das ações criminais, podendo ser aplicadas a algumas das pessoas que criticaram o juiz ainda em 2017, quando se soube que este recusou agravar a pena de um agressor porque a agressão tinha sido motivada pelo adultério da mulher, citando passagens bíblicas. A mulher fora atacada com uma moca com pregos.

Noutro acórdão de 2017, Neto de Moura acusou uma mulher que traia o marido de ser “dissimulada”, “falsa”, hipócrita”, “desleal” e “imoral”. Ambos os casos levaram a um processo do Conselho Superior de Magistratura que resultou numa advertência e no arquivamento do processo contra Neto de Moura. Também esta decisão gerou críticas públicas.

O advogado de Neto de Moura indicou oito pessoas que considera terem “ultrapassado os limites da liberdade de expressão”: os humoristas Ricardo Araújo Pereira, Bruno Nogueira, João Quadros e Diogo Batáguas; as políticas Mariana Mortágua e Catarina Martins (Bloco de Esquerda) e Joana Amaral Dias; e o comentador Manuel Rodrigues.

Entre as ofensas registadas por Neto de Moura está uma das declarações de Ricardo Araújo Pereira, que sugeria que a advertência do Conselho Superior de Magistratura deveria ser “enfiada no rabo do juiz” (crítica que repetiu na rubrica Gente que Não Sabe Estar, na TVI); a classificação de “animal irracional” dada por Bruno Nogueira (que repetiu o ataque no programa Tubo de Ensaio, na TSF, escrito com João Quadros); o pedido de expulsão de Joana Amaral Dias (“Este juiz tem de ir para a rua. E é já!”); e a crítica pública de Mariana Mortágua (“A presença de Neto Moura nos tribunais portugueses é uma ameaça à segurança das mulheres”).

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, garantiu não estar de todo preocupada com um eventual processo do juiz: “Acho que o juiz Neto Moura vai ter de processar a maioria do país. Neste país, as pessoas sabem que a violência doméstica é um crime e as sentenças do juiz Neto Moura tentam legitimar e atenuar a violência doméstica, humilhando mulheres, e isso é inaceitável”.

[Artigo atualizado no dia 7 de março, com uma correção sobre a decisão do juiz Neto de Moura no acórdão pelo qual recebeu uma advertência escrita do CSM: o magistrado não atenuou a pena do arguido, como erradamente era dito — recusou agravá-la, como pedia o Ministério Público. Por esse erro, as nossas desculpas.]

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Incêndios

Um fogo que se apaga

Vera de Melo

Como podemos preparar as crianças para lidar com os incêndios? Como as podemos ajudar e tranquilizar? Aqui ficam algumas dicas.

Política

A sobrevivência do socialismo /premium

André Abrantes Amaral

O socialismo é a protecção de um sector contra os que ficam de fora. O desejo de ordem e a desresponsabilização é natural entre os que querem segurança a todo o custo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)