Rádio Observador

Estados Unidos da América

Ex-conselheiro de Clinton e Obama acusado do mesmo crime de Manafort

Um antigo conselheiro de Clinton e Obama é a próxima vítima da investigação de Mueller. Gregory Craig foi acusado de ter feito lóbi para o governo ucraniano de Yanukovitch sem registar a atividade.

Gregory Craig trabalhou tanto na Casa Branca de Bill Clinton (14 meses) como na de Barack Obama, onde esteve quase um ano

Pete Souza/The White House via Getty Images)

O ex-conselheiro de Bill Clinton e Barack Obama, Gregory Craig, foi acusado por um tribunal federal de ter trabalhado enquanto lobista para o governo ucraniano em 2012, sem que tenha feito o registo legalmente exigido nos EUA a todos os cidadãos que façam aquele tipo de trabalho para um governo estrangeiro.

Gregory Craig é o primeiro democrata a ser apanhado por uma das várias ramificações que a investigação do procurador especial Robert Mueller fez ao alegado conluio entre a campanha de Donald Trump e a Rússia.

Gregory Craig é suspeito do mesmo crime do que o ex-diretor de campanha de Donald Trump Paul Manafort, que trabalhou em 2010 para o ex-Presidente da Ucrânia Viktor Yanukovitch em 2010. Em março, Paul Manafort foi condenado a 7 anos e meio de prisão, por não se ter declarado como lobista e também por crimes financeiros.

Depois de sair da Casa Branca de Barack Obama, em 2010, Gregory Craig tornou-se sócio da firma de advogados Skadden, Arps, Slate, Meagher & Flom — conhecida simplesmente por “Skadden” —, de Nova Iorque. Em 2012, a meio do mandato presidencial de Viktor Yanukovitch, a Skadden foi contratada pelo Ministério de Justiça para elaborar um relatório com sugestões para a condenação de Yulia ­Tymoshenko, ex-primeira-ministra da Ucrânia e adversária política daquele ex-Presidente ucraniano.

De acordo com o Washington Post, o relatório final chegava às 187 páginas e deixava, além de várias críticas a Yulia ­Tymoshenko, uma avaliação positiva e encorajadora da ação do Ministério da Justiça durante a presidência de Viktor Yanukovitch. Segundo aquele jornal, o tom do relatório era positivo ao ponto de o próprio Paul Manafort ter admitido que chegou a usá-lo como instrumento de promoção de Viktor Yanukovitch fora da Ucrânia.

O Washington Post refere ainda que, apesar de a firma de advogados de Gregory Craig ter declarado que o relatório foi cobrado a 12 mil dólares (cerca de 10.600 euros), Paul Manafort, que trabalhou com Viktor Yanukovitch logo desde a campanha eleitoral de 2010, contou que arranjou maneira de fazer chegar, através de uma conta offshore, mais de 4 milhões de dólares (3.5 milhões de euros) à Skadden.

Os investigadores sustentam a acusação em contactos que Gregory Craig fez com a imprensa norte-americana, entre o final de 2012 e 2013. Além de um telefonema para o The New York Times, onde terá falado do relatório da Skadden, entrou em contacto com outras redações para reagir a “imprecisões” em notícias relativas à Ucrânia, reforçando ainda assim que não era “de maneira alguma um agente ao serviço da Ucrânia”.

O facto é que, mais tarde, já em janeiro de 2019, a Skadden concordou pagar 4,6 milhões de dólares (mais de 4 milhões de euros) ao Departamento de Justiça, reconhecendo que devia ter declarado que trabalhou para o governo da Ucrânia.

A defesa de Gregory Craig recusa qualquer culpabilidade do seu cliente. “O Sr. Craig não é culpado de qualquer crime”, lê-se na nota de imprensa dos seus advogados, citada pelo Washington Post. Ainda de acordo com aquele jornal, os advogados dizem que a “a teimosia do governo em julgar o Sr. Craig é um abuso discricionário dos procuradores”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jadias@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)