Acidentes de Aviação

Rússia. Autoridades recuperam 41 corpos e as caixas negras do avião que se incendiou ao aterrar

Depois de um avião russo se ter incendiado ao aterrar em Moscovo, as autoridades retiraram do aparelho os corpos das 41 vítimas e recuperaram as caixas negras, essenciais para investigar o acidente.

O acidente aéreo no aeroporto de Moscovo provocou 41 mortes

VIKTOR MARCHUKAITES/AFP/Getty Images

As autoridades russas recuperaram os 41 corpos do acidente aéreo de domingo em Moscovo, assim como as caixas negras do avião SSJ-100, que se incendiou ao tentar aterrar no aeroporto de Sheremetyevo.

“As duas caixas negras, o gravador de voz do cockpit e os parâmetros de voo foram recuperados e entregues ao Comité Interestadual de Aviação. O seu estado permite a leitura dos dados”, disse esta segunda-feira uma fonte dos serviços de emergência citado pela agência de notícias Interfax.

A fonte acrescentou que o trabalho para recuperar os dados das caixas negras pode levar de duas a quatro semanas.

A aeronave, um Soukhoï Superjet 100 que pertencia à companhia russa Aeroflot e tinha 78 pessoas a bordo, havia descolado do aeroporto Sheremetyevo no domingo às 18h02 (16h02 em Lisboa), mas menos de meia hora depois o avião retornou ao aeroporto, onde fez uma aterragem de emergência.

O avião, com os seus tanques cheios de combustível, incendiou-se ao aterrar no aeroporto.

O ministro do Transporte da Rússia, Yevgeny Dietrich, disse esta segunda-feira aos jornalistas que os 41 corpos foram recuperados dos destroços do avião.

Dietrich declarou ainda que seis pessoas que sobreviveram (37 no total) ao desastre no domingo estão hospitalizadas.

Embora as autoridades não tenham avançado qualquer possível causa do acidente, uma fonte anónima citada pela Interfax disse que o motivo pode ter sido um relâmpago que caiu sobre a aeronave.

“De acordo com a hipótese principal, quando o avião estava a uma altitude de cerca de dois quilómetros, a tripulação ativou o sinal de emergência devido ao impacto de um relâmpago, perdendo a comunicação rádio e falhas nos sistemas eletrónicos”, referiu esta outra fonte à Interfax.

[Vídeo. As imagens do avião em chamas]

O comandante de bordo, Denis Evdokimov, declarou à imprensa russa que o Soukhoï Superjet 100 teve de fazer uma aterragem de emergência depois de perder parte do equipamento de bordo devido a um relâmpago que caiu sobre a aeronave.

Segundo o comandante, foi por causa da aterragem violenta que a aeronave se incendiou.

“A razão (do incêndio) foi certamente os tanques estarem cheios” de combustível, disse Evdokimov.

Investigadores russos apontam três possíveis causas para incêndios em aviões: pilotos inexperientes, falha de equipamento ou mau tempo.

Segundo a agência Ria Novosti, o avião de passageiros fazia a rota entre Moscovo e Murmansk, no norte da Rússia.

O Soukhoï Superjet 100, o primeiro avião civil projetado na Rússia após a queda da União Soviética, esteve envolvido em pelo menos dois incidentes nos últimos meses.

No mês passado, um aparelho do mesmo modelo não conseguiu descolar, num voo entre Moscovo e Voronezh, por “falha técnica”. Em março, outro Soukhoï Superjet 100 foi forçado a regressar ao aeroporto de partida em Moscovo por rachaduras no para-brisa.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)