Nações Unidas

ONU adverte: Estado Islâmico está a reorganizar-se no Iraque e ainda é ameaça global

389

O presidente do comité do Conselho de Segurança diz que o Estado Islâmico é "a maior ameaça terrorista internacional". Também a Al-Qaida permanece ativa, reforça Dian Triansyah Djani.

O Estado Islâmico está a organizar células a nível das províncias no Iraque

MOHAMMED SABER/EPA

O grupo jihadista Estado Islâmico (EI) começou a reorganizar as suas células no Iraque e permanece um perigo a nível global, em particular após se converter numa rede clandestina, advertiu esta segunda-feira a ONU.

Apesar de ter perdido praticamente todo o território que controlava nos seus bastiões no Médio Oriente, o EI permanece “a maior ameaça terrorista internacional” e a organização que garante mais recursos.

O alerta foi emitido por Dian Triansyah Djani, o embaixador da Indonésia nas Nações Unidas e presidente do comité do Conselho de Segurança que vigia as sanções impostas ao grupo jihadista. No decurso de uma apresentação perante os restantes membros do Conselho de Segurança, explicou que prossegue a transformação do EI numa “rede encoberta global”, num processo que está mais adiantado no Iraque que na Síria. “No Iraque, o EI começou a organizar células a nível das províncias e atualmente garante um saldo positivo de combatentes na Síria para reforçar a rede emergente no Iraque”, assinalou.

Segundo o comité, caso o grupo consiga o seu objetivo de sobreviver e ressurgir nos seus bastiões no Médio Oriente, é provável que volte a centrar-se na organização de operações no exterior. De momento, segundo Djani, “o núcleo do EI carece da força necessária para levar a cabo ataques internacionais coordenados”.

A ONU tem advertido desde há alguns meses que o EI, apesar das derrotas militares que sofreu na Síria e Iraque, permanece uma ameaça a nível global. Em paralelo, a Al-Qaida, também acompanhada pelo mesmo comité do Conselho de Segurança, “permanece ativa em muitas regiões e mantém a ambição de projetar-se mais internacionalmente”, acrescentou o embaixador da Indonésia.

Triansyah Djani advertiu ainda sobre o risco de que a rede fundada por Osama bin Laden possa beneficiar dos problemas do EI para se reforçar e efetuar os seus próprios grandes ataques terroristas. Segundo referiu, os peritos consideram ser possível que os combatentes estrangeiros que nos últimos anos estiveram integrados no EI passem agora para filiais da Al-Qaida nas zonas onde este grupo é dominante.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Desigualdade

Estudar é para todos?

José Ferreira Gomes

Todos os jovens merecem igual consideração e há que evitar oferecer diplomas sem valor futuro no mercado de trabalho. O facilitismo só vem prejudicar os jovens, em especial os socialmente mais frágeis

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)