Rádio Observador

Serviço Nacional de Saúde

Hospital Pulido Valente sem anestesistas na escala este fim de semana

2.424

Médicos do Hospital Pulido Valente, em Lisboa, foram surpreendidos com a falta de anestesistas na escala deste fim de semana e manifestam preocupação com o impacto da decisão nos doentes internados.

MANUEL FERNANDO ARAÚJO/LUSA

Médicos do Hospital Pulido Valente, em Lisboa, foram este sábado surpreendidos com a falta de anestesistas na escala deste fim de semana e manifestam preocupação com o impacto da decisão nos doentes internados.

O coordenador da unidade de Cuidados Intensivos Médico-Cirúrgicos do Departamento do Tórax escreveu à diretora do Departamento a manifestar preocupação com o impacto na qualidade assistencial e na segurança dos doentes internados.

No email, a que a agência Lusa teve acesso, o médico Filipe Froes expressa ainda indignação pela ausência de anestesistas em presença física neste fim de semana no Pulido Valente, sem que tenha havido debate e avaliação do impacto da medida e recorda que o hospital é o maior centro do país de cirurgia torácica, de oncologia pneumológica e de insuficiência respiratória.

Segundo o médico, a unidade de Cuidados Intensivos do Departamento do Tórax teve “conhecimento informal” de que “não existe escala de presença física de anestesia no Hospital Pulido Valente para o presente fim de semana”.

Filipe Froes recorda que a equipa de anestesia é responsável pela equipa de reanimação no Hospital e assume “funções críticas no âmbito da cirurgia de urgência/emergência”, considerando que há funções que não são possíveis de assegurar em regime de prevenção e sem a presença física dos profissionais, sobretudo porque “não foi assegurada uma alternativa que não comprometesse a vida dos doentes”.

“Não podemos assumir qualquer tipo de responsabilidade por qualquer evento ou acontecimento nefasto ou prejudicial para qualquer doente assistido no Hospital Pulido Valente em resultado da ausência de resposta da anestesia”, alerta o médico.

Filipe Froes recorda que o Pulido é um Hospital Central e universitário – integrado no Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte (CHULN), considerando que é mais “uma perda significativa para CHULN e para o SNS”.

“Não pode persistir esta sensação ‘estranha’ de que, afinal, não estamos num Hospital Central, terciário e universitário”, refere a mensagem dirigida à diretora do Departamento do Tórax e que dirige também o Serviço de Pneumologia.

Contactado pela Lusa, o médico intensivista e pneumologista Filipe Froes escusou-se a acrescentar comentários, mas confirmou que muitos médicos do Hospital foram surpreendidos por esta decisão.

A Lusa contactou o CHULN mas não foi possível obter ainda uma resposta.

Sindicato médico exige esclarecimento sobre falta de anestesistas no Pulido Valente

O Sindicato Independente dos Médicos vai exigir explicações à administração do Centro Hospitalar Lisboa Norte sobre a falta de anestesistas na escala deste fim de semana no Hospital Pulido Valente.

Em declarações à agência Lusa, o secretário-geral do sindicato, Roque da Cunha, considerou lamentável a falta de anestesistas em presença física na escala do Pulido Valente este fim de semana, situação que apanhou de surpresa médicos da unidade e que foi denunciada numa mensagem de email pelo coordenador de Cuidados Intensivos Médico-Cirúrgicos do Departamento do Tórax.

Roque da Cunha acrescentou ainda que o Sindicato vai enviar um ofício à administração do centro hospitalar a pedir “esclarecimentos urgentes” sobre a situação.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

O Seguro Público de Saúde

Fernando Leal da Costa

O seguro público é uma questão de esquerda contra a direita? Não é! Será impopular? Provavelmente para uma parte da população. Os Portugueses não gostam de pagar. Quem gosta?

Açores

Lajes: entre os Pombos e a Águia

José Pinto

Se as instalações da aerogare das Lajes reclamam há muito por obras de manutenção, os pombos decidiram dar uma asinha – um eufemismo por motivos higiénicos – na degradação ambiental.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)