Vítor Constâncio garante que vai processar o jornal Público, a publicação que envolveu o ex-governador do Banco de Portugal nos créditos da Caixa Geral de Depósitos a Joe Berardo, para comprar ações do BCP. A revelação é feita num artigo de opinião publicado no Expresso deste sábado.

“Durante os oito anos em que estive no Banco Central Europeu, liguei pouco ao que se disse ou não disse em Portugal sobre mim. Talvez tenha sido complacente com algumas calúnias que, ao longo desse tempo, foram sendo propaladas. Mas o que se passou esta semana foi demasiado grave, e a minha complacência acabou. Processarei o jornal que iniciou e insistiu nas calúnias”, escreve Vítor Constâncio, que também já admitiu processar o ex-administrador do BCP Filipe Pinhal pelas declarações feitas na sua audição na comissão de inquérito à gestão da Caixa.

Vítor Constâncio escreve que “ao contrário do que dizem, estou habituado a não ser complacente”. “Durante o meu mandato no Banco de Portugal abriram-se dezenas de processos contra gestores e administradores de bancos tendo muitos terminado com a sua condenação (sete só no BCP) e vários foram posteriormente condenados em tribunais criminais”, recorda.

O ex-vice-presidente do Banco Central Europeu diz que vive “muito focado no trabalho académico centrado em conferências e aulas sobre assuntos económicos, monetários e europeus. Como toda a gente, também vivo esquecido de muitas coisas que se passaram há 12 ou há 17 anos. Mas não me esqueci, por exemplo, dos processos de contraordenação que abrimos a cinco presidentes ou ex-presidentes de bancos, nem do processo de contraordenação que abrimos a um ex-governador do Banco de Portugal.

Para Vítor Constâncio, as notícias publicadas contra ele servem para desviar as atenções de “pessoas que cometeram crimes e abusaram de um sistema que, sobretudo até 2008, concedeu à supervisão bancária poderes legais limitados e assentou numa excessiva confiança na gestão privada dos bancos e na pretensa autorregulação dos mercados financeiros”.

“Àqueles que, dado esse quadro, dizem que alguma vez eu ou o BdP devíamos ter ido “além da lei”, digo-lhes que não é assim que deve funcionar um Estado de direito; àqueles que dizem que a lei deve ser alterada e que os poderes da supervisão devem ser mais reforçados do que já foram desde 2008 em toda a Zona Euro, digo que estou com eles. É, em parte, sobre isso que tenho continuado a trabalhar desde que terminei o meu mandato no BCE, e lamento muito que, em Portugal, o debate sobre este tema assente há tanto tempo numa tão profunda incompreensão do sistema que existe e do quadro legal que o rege, bem como na tentativa de identificar bodes expiatórios”, afirma Vítor Constâncio.