Rádio Observador

Diplomacia

Portugal e EUA concordam que é preciso dar “muita atenção” ao islamismo radical em Moçambique

141

Portugal e os Estados Unidos concordam que "é preciso ter muita atenção" à "progressão das correntes fundamentalistas e de natureza terrorista" no norte de Moçambique.

"Foi nesse duplo aspeto que nós abordámos Moçambique

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Portugal e os Estados Unidos concordam que “é preciso ter muita atenção” à “progressão das correntes fundamentalistas e de natureza terrorista” no norte de Moçambique, disse hoje à Lusa o chefe de diplomacia portuguesa, Augusto Santos Silva.

“O que as autoridades moçambicanas nos dizem, o que nós próprios podemos recolher da nossa parte e o que os norte-americanos nos dizem convergem no essencial: é preciso ter muita atenção” em relação à “progressão” do fundamentalismo islâmico radical no norte de Moçambique, disse à Lusa o ministro dos Negócios Estrangeiros, que recebeu no Palácio das Necessidades, em Lisboa, o secretário de Estado Adjunto dos Estados Unidos da América para os Assuntos Africanos, Tibor Nagy, a pedido do governante norte-americano.

“Trata-se de um fenómeno complexo, que está ainda numa forma embrionária e ao qual devemos responder para que possa ser contido agora”, acrescentou o governante português, sublinhando: “A forma como devemos responder é apoiando as autoridades moçambicanas”.

O facto muito relevante de o secretário-geral das Nações Unidas [António Guterres] visitar Moçambique na próxima semana, o papa realizar uma visita pastoral no próximo mês de setembro, e a força que isso dá ao processo de paz e de reconciliação nacional em Moçambique”, que se encontra na sua “última milha”, foi também constatado “reciprocamente” por ambos os governantes, assinalou Santos Silva.

Por outro lado, salientou: “Quando falamos na progressão das correntes fundamentalistas e de natureza terrorista que se reclamam de uma visão radical do islão, evidentemente que o norte de Moçambique vem, como várias outras regiões de África, à memória”.

“Foi nesse duplo aspeto que nós abordámos Moçambique, sendo certo que abordar Moçambique com qualquer país hoje significa da nossa parte comunicar a esse país que excelentes resultados foram produzidos na cimeira entre Portugal e Moçambique [a quarta, realizada esta quarta-feira em Lisboa], quão bem-sucedida foi a visita de Estado do Presidente [Filipe] Nyusi [esta semana], e quão desenvolvidas estão as relações bilaterais”, acrescentou.

Para além das discussões relativas a Moçambique, Portugal manifestou ao representante da Administração norte-americana ter “muitas fontes de preocupação em África, designadamente do ponto de vista da segurança, quer no norte de África e no Sahel, quer no Golfo da Guiné, quer na África Central”.

Em contrapartida, Santos Silva chamou a atenção, em particular, para “os bons desenvolvimentos que estão a ocorrer na África Ocidental, para o processo político que está a ocorrer em Angola e para o facto de, em Moçambique, estarmos muito perto de uma paz duradoura”.

Nagy afirmou à comunicação social, à saída do encontro, que fez “questão de visitar Portugal e conversar com os membros do Governo [português] sobre interesses comuns em África”, sublinhando que Lisboa “desempenha um papel muito positivo em África” e que os Estados Unidos gostariam de “identificar cada vez mais áreas de cooperação” em áreas como o “comércio e investimento, cooperação no desenvolvimento e paz e estabilidade”.

Questionado pela Lusa sobre se Washington está a desinvestir em África – por comparação com a Europa, que se prepara para realizar uma cimeira União Europeia-África, como lembrou esta quinta-feira o Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, e com a Rússia, que anunciou a preparação de um evento semelhante –, o governante norte-americano contestou a ideia, afirmando que “os Estados Unidos têm um grande interesse em África”.

“Curiosamente, estive há um par de semanas em Moçambique no Conselho Anual de Cooperação com África, onde foi assinado o maior investimento de sempre em toda a história africana, envolvendo uma companhia norte-americana do setor da energia, a Anadarko, na ordem dos 50 mil milhões de dólares, no norte de Moçambique”, disse.

“Portanto, diria que não, de forma nenhuma, os Estados Unidos não estão a perder o seu interesse por África; [esse interesse] está a crescer cada vez mais”, reforçou.

O consórcio de exploração de gás natural em Moçambique, liderado pela petrolífera norte-americana Anadarko, anunciou formalmente no passado dia 18 um dos maiores investimentos de sempre no país, avaliado em 25 mil milhões de dólares (22,2 mil milhões de euros), no projeto de gás natural da Área 1 do Rovuma, no norte do país.

Além da Anadarko, que lidera o consórcio com 26,5%, o grupo que explora a Área 1 é constituído pela japonesa Mitsui (20%) e a petrolífera estatal moçambicana ENH (15%), cabendo participações menores à indiana ONGC (10%), à sua participada Beas (10%), à Bharat Petro Resources (10%) e à tailandesa PTTEP (8,5%).

A Anadarko deve ceder a liderança do consórcio à francesa Total até final do ano, depois de ser comprada – processo ainda em curso – por outra petrolífera dos EUA, a Occidental, que por sua vez celebrou um acordo para venda dos ativos em África.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)