Rádio Observador

Serviço Nacional de Saúde

Algarve propõe quarto a 20 euros por dia a médico que se candidata para trabalhar no verão

Hospital ofereceu quarto a 20 euros ao dia a anestesista. Ordem dos Médicos fala em "situação inaceitável”. Governo prometera “alojamento gratuito temporário para os médicos” no verão.

A proposta oferecia um quarto com "direito a uso de sala e cozinha"

LU

O Centro Hospitalar do Algarve apenas deu a possibilidade de alojamento num quarto, pago a 20 euros por dia, a um anestesista que se candidatou a trabalhar na região no verão para suprir as necessidades de reforço de pessoal.

“Por solicitação do serviço de anestesiologia se informa que o CHUA [Centro Hospitalar Universitário do Algarve] dispõe de alojamentos em Lagos e Faro. Nenhum dos locais, neste momento, dispõe de apartamentos. Só dispõe de quartos. O uso do quarto dá direito a uso de sala e cozinha (…) O preço é de 20 euros diários”, refere uma mensagem enviada a um anestesista, que se queixou da situação à Ordem dos Médicos, segundo uma mensagem escrita a que a agência Lusa teve acesso.

O Ministério da Saúde anunciou em junho que a Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve iria proporcionar “alojamento gratuito temporário para os médicos”, anúncio feito no momento em que abriram candidaturas para clínicos que quisessem trabalhar na região durante o verão.

Aliás, no próprio despacho assinado pela ministra da Saúde é estabelecido que a “ARS Algarve diligencia no sentido de proporcionar alojamento gratuito temporário para os médicos, de acordo com as disponibilidades locais”.

Contactado pela agência Lusa, o bastonário dos Médicos confirmou ter recebido a queixa de um anestesista e entende que se trata de “uma situação inaceitável”, que demonstra um “anúncio falacioso” por parte do Ministério da Saúde.

“Trata-se, infelizmente, de um bom exemplo do que é a política de incentivos que está a ser criada”, afirmou Miguel Guimarães.

O bastonário referiu ainda que a anestesia é, ainda por cima, uma “especialidade crítica” para os hospitais do Algarve e que é essencial para o funcionamento dos blocos operatórios.

Em junho, o Ministério anunciou que seriam abertas candidaturas para médicos “com disponibilidade para desempenhar funções na Região do Algarve durante o período de verão de 2019, num modelo excecional de mobilidade temporária de pessoal médico que visa reforçar os cuidados de saúde” na região.

“Com esta medida, o Ministério da Saúde pretende reforçar, durante o período estival de 2019, a assistência médica da região do Algarve, sem comprometer o regular e normal funcionamento dos demais serviços e estabelecimentos de saúde”, referia o Ministério.

A Lusa pediu esclarecimentos ao CHUA e aguarda por uma resposta.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

O Seguro Público de Saúde

Fernando Leal da Costa

O seguro público é uma questão de esquerda contra a direita? Não é! Será impopular? Provavelmente para uma parte da população. Os Portugueses não gostam de pagar. Quem gosta?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)