Rádio Observador

Eleições

Líder da Federação do PS/Guarda demite-se após chumbo de lista encabeçada por Ana Mendes Godinho

O presidente da Federação Socialista da Guarda, Pedro Fonseca, disse que vai demitir-se do cargo depois de chumbo da lista de candidatos às eleições legislativas, liderada por Ana Mendes Godinho.

A lista rejeitada pela Comissão Política Distrital do PS é liderada pela secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, que foi escolhida pelo secretário-geral do PS, António Costa

MIGUEL A. LOPES/LUSA

O presidente da Federação Socialista da Guarda, Pedro Fonseca, disse esta quarta-feira à agência Lusa que vai demitir-se do cargo em consequência da lista de candidatos às eleições legislativas, liderada por Ana Mendes Godinho, ter sido chumbada pela distrital.

A lista proposta pela Federação do PS/Guarda foi chumbada por um voto (obteve 29 votos contra, 28 a favor e um branco) na reunião da Comissão Política Distrital realizada na terça-feira à noite.

A lista rejeitada pela Comissão Política Distrital do PS é liderada pela secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, que foi escolhida pelo secretário-geral do PS, António Costa.

Nos lugares seguintes estão, por ordem, os nomes de Pedro Fonseca (líder distrital dos socialistas e vereador na Câmara Municipal da Guarda), Olga Marques (ex-presidente das Mulheres Socialistas no distrito da Guarda, indicada por Celorico da Beira), Fábio Pinto (por indicação da Juventude Socialista), Telma Mano (Figueira de Castelo Rodrigo) e Jorge Liça (Vila Nova de Foz Côa).

Com a rejeição da lista proposta pela Federação, o dirigente Pedro Fonseca disse à Lusa que vai demitir-se nesta quarta-feira do cargo de líder distrital do PS/Guarda e que renunciará ao mandato de vereador na próxima reunião de Câmara, agendada para segunda-feira.

Pedro Fonseca justifica a decisão por ter “maioria na Comissão Política Distrital” socialista e por esta não o ter acompanhado na proposta apresentada.

“O responsável pela lista que foi proposta sou eu. Até hoje tudo o que apresentei à Comissão Política Distrital foi aprovado. O apoio que eu tinha na Comissão Política Distrital desapareceu hoje e, se isso desaparece, eu desapareço com ele. Não tendo apoio, ninguém precisa de me indicar a porta, eu sei sair”, justificou.

O socialista, que desempenha as funções de presidente da Federação do PS da Guarda desde março de 2018, disse que a demissão “é irreversível” e que aguarda indicações de Lisboa, da estrutura nacional, para tratar do processo.

O responsável também já comunicou ao presidente da Comissão Política Concelhia local a renúncia ao mandato de vereador na Câmara Municipal da Guarda.

“Não sou um empecilho para o partido, nunca vivi do partido, nunca vivi da política, nunca tive remuneração nenhuma e vivo de acordo com a ética republicana. Eu não dependo da política, mas dependo dos valores fundamentais da ética republicana”, afirmou.

Em relação a Ana Mendes Godinho, proposta por António Costa para liderar a lista pelo círculo eleitoral da Guarda, Pedro Fonseca diz que “é uma excelente cabeça de lista”.

“Eu concordei com ela para cabeça de lista. É uma pessoa com um trabalho político extraordinário, com qualidades humanas”, disse.

Pedro Fonseca remete mais explicações para uma conferência de imprensa que realizará na quinta-feira, pelas 18h.

Em 2015, a lista socialista na Guarda foi encabeçada por António José Santinho Pacheco, seguido da atual porta-voz do PS, Maria Antónia de Almeida Santos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições

Outro caminho para Setúbal

Diogo Prates
177

Acreditamos que só com um clima de negócios competitivo será possível gerar riqueza e proporcionar as condições de vida que os habitantes do distrito de Setúbal merecem e ambicionam para si.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)