Rádio Observador

PS

Pedro Nuno Santos é cabeça de lista por Aveiro e Raúl Castro por Leiria

113

Ministro das Infraestruturas volta a ser indicado por António Costa para liderar a lista de candidatos a deputado por Aveiro. Raúl Castro é número um em Leiria e João Azevedo (Mangualde) em Viseu.

Ministro das Infraestruturas desde Fevereiro volta ser o escolhido por Costa para encabeçar a lista de Aveiro, tal como em 2015.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

O ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, volta a ser o nome indicado pela direção do PS como número um da lista de candidatos do partido por Aveiro, para as legislativas de outubro. E o presidente da Câmara de Leiria, Raúl Castro, vai liderar a lista do PS em Leiria, apurou o Observador junto de fonte oficial do PS. O Observador sabe ainda que João Azevedo, presidente da Câmara de Mangualde e diretor de campanha de Pedro Marques nas eleições Europeias, será o cabeça de lista do PS por Viseu.

As comissões políticas distritais do PS de Leiria e Aveiro vão decorrer na noite desta quarta-feira, para as federações votarem os nomes que vão indicar para a lista de candidatos a deputados. Ficarão a faltar os nomes que entram pela quota do secretário-geral, António Costa, embora nestes dois casos se saiba já que os cabeças de lista que vão avançar. O Observador sabe também que por Viseu o cabeça de lista será João Azevedo, a lista da comissão política será votada na próxima sexta-feira.

Pedro Nuno Santos foi secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares até ao início deste ano, sendo o pivot das negociações diretas entre o Governo e os partidos de esquerda que apoiaram o Executivo no Parlamento. A partir de fevereiro passou a ministro das Infraestruturas depois da saída de Pedro Marques para se candidatar ao Parlamento Europeu.

Já Raúl Castro conquistou a Câmara de Leiria em 2009 e é o nome que Costa pretende ter à frente do PS-Leiria nestas legislativas. João Azevedo é o autarca de Mangualde, que Jorge Coelho classificou, num almoço de campanha, de “máquina de combate político”.

Esta terça-feira, a Lusa avançou que Ana Mendes Godinho, secretária de Estado do Turismo, será cabeça de lista do PS por Guarda, e que Alexandra Leitão, secretária de Estado da Educação, será a número um da lista de Santarém. As duas foram chamadas por Costa para integrarem a direção do partido no último congresso, em 2018.

O Observador sabe ainda que Ana Catarina Mendes, secretária-geral adjunta, se prepara para ser cabeça de lista por Setúbal, o deputado Jorge Gomes (ex-secretário de Estado da Administração Interna) deve liderar a lista de Bragança, e no Porto, onde a comissão política distrital do PS se reúne esta sexta-feira à noite, António Costa estará inclinado para voltar a apostar no independente Alexandre Quintanilha. Por Viana do Castelo, o líder da lista do PS deverá voltar a ser Tiago Brandão Rodrigues, ministro da Educação.

Para o fim, fica a reunião da comissão política distrital de Lisboa (segunda-feira), mas também a de Faro, que só se realiza domingo e que tem sido o círculo apontado ao ministro das Finanças Mário Centeno. Na terça-feira à noite, reúne-se, em Lisboa, a Comissão Política do PS para fechar e aprovar as listas em que, segundo os critérios definidos na reunião da Comissão Nacional do partido no início de junho, o líder do partido terá direito a escolher 30% do número total de eleitos em 2015.

Artigo atualizado às 16h20 com mais informações recolhidas pelo Observador sobre as listas do PS

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rtavares@observador.pt
Parlamento Europeu

Portugal poucachinho na Europa. E cá?

Bruno Martins

Se estes são os representantes que conseguimos ter, então não é de espantar que os Portugueses tenham cada vez menos interesse na Europa e que a abstenção continue a aumentar nessas eleições.

Combustível

Teorias da conspiração /premium

Manuel Villaverde Cabral

A única coisa que não sabemos ao certo acerca da greve dos camionistas é se o governo a combate a sério, servindo-se para isso da implantação do PS na organização do patronato, ou se finge combatê-la.

Combustível

Uma história de hipocrisia /premium

Paulo Tunhas
449

António Costa precisa, quanto mais não seja por causa da dúbia origem do seu poder, de afirmar constantemente a sua autoridade. Daí também ter encenado um espectáculo sem par.

Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira
338

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

PSD

Rui Rio precisa do eleitorado de direita /premium

João Marques de Almeida
112

O eleitorado de direita deve obrigar Rui Rio a comprometer-se que não ajudará o futuro governo socialista a avançar com a regionalização e a enfraquecer o Ministério Público. No mínimo, isto.

Educação

Cheques de Ensino

Diogo Fernandes Sousa

Com os cheques de ensino se um pai se enganasse afetaria apenas o seu filho. Agora, se um político se engana no Ministério da Educação, como sucede regularmente, afeta toda uma geração de estudantes

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)