Rádio Observador

Eleições Europeias

Lombo assado, Coelho em brasa e Costa que esqueceu o candidato do PS às Europeias

563

António Costa foi a Mangualde mas só falou do convidado especial, Timmermans. Nenhum referiu Pedro Marques. Arrancou a campanha oficial do PS, com tudo a que isso tem direito - até a Jorge Coelho.

Timmermans e Costa abraçados no final do almoço comício. Falaram um para o outro e nunca para o candidato nacional

ANDRÉ DIAS NOBRE / OBSERVADOR

Então e o que é o almoço? “Lombo de porco assado com salada e arroz branco”, responde prontamente um dos empregados de mesa. Está oficialmente aberta a época da refeição-comício, com bombos à porta e ranchos folclóricos, ambos convidados pelo presidente da terra — invariavelmente um socialista dos quatro costados — em troca de um lugar à mesa do partido e, volta e meia, ainda o alento de uma obra importante anunciada dias antes para a região. Vai ser mais ou menos assim nos próximos dias, pelo menos quando houver líder do partido em campo. E hoje houve, em Mangualde, terra 70% socialista (a contar pelas últimas autárquicas) onde António Costa foi dar o empurrão inicial ao seu cabeça de lista às Europeias Pedro Marques? Não. A Frans Timmermans, o candidato que o PS apoia à Comissão.

O candidato socialista foi esquecido pelo líder do partido no discurso do arranque da campanha oficial para o PS. Nem uma referência na intervenção inicial onde coube sobretudo o pedido para que se consiga “uma força progressista maioritária” no Parlamento Europeu. “De Tsipras a Macron vamos conseguir construir uma grande frente progressista na Europa”, clamou Costa do palco onde antes dele discursou o candidato que o PS apoia à presidência da Comissão Europeia, Frans Timmermans.

No final da intervenção o holandês chamou Costa ao palco, ambos deram as mãos perante o aplauso da sala com mais de duas mil pessoas, mas só mesmo eles os dois — Timmermans também não tinha feito qualquer referência a Pedro Marques. Costa respondeu-lhe quase na mesma moeda, e no fim do seu discurso tentou fazer pegar na mesma sala o grito “Frans, Frans, Frans” (mesmo que não tenha pegado). Atrás do líder socialista e do candidato à Comissão estava o cabeça de lista do partido, Pedro Marques.

Costa foi a Mangualde sobretudo para posicionar o partido no contexto europeu: “O partido que nasceu na clandestinidade e na luta contra a ditadura” mas que não diz que “é tudo mau na Europa. Estamos agradecidos por tudo o que têm feito por Portugal” porque “mostramos que na Europa não estamos de braços cruzados”. Costa lembrou também a “capacidade de fazer amigos” dos portugueses — e a sua em particular, recordando a “geringonça” que construiu em 2015.

António Costa, Pedro Marques e Frans Timmerman à chegada ao almoço comício em Mangualde ANDRÉ DIAS NOBRE / OBSERVADOR

António Costa, Pedro Marques e Frans Timmermans à chegada ao almoço comício em Mangualde
ANDRÉ DIAS NOBRE / OBSERVADOR

“Quando há três anos diziam que não conseguíamos construir uma solução política estável em Portugal, provámos que conseguimos. Conseguimos em Portugal e vamos conseguir na Europa construir uma grande frente progressista e ainda vamos ver Frans Timmermans como presidente da Comissão”, afirmou defendendo como objetivo derrotar Manfred Weber, o candidato à Comissão apoiado pelo  PSD e CDS. “Nunca perdoaremos quem por cima do jugo da austeridade nos quis castigar. Não vamos permitir que Weber seja presidente da Comissão”, atirou.

Aqui em sintonia com o seu cabeça de lista que tinha falado antes a lembrar o momento em que Weber defendeu “sanções em força máxima” para Portugal. Pedro Marques centrou sobretudo o seu ataque a Paulo Rangel, o “deputado fake, que fez um relatório e em dez anos não lhe conhecemos nenhum trabalho relevante para Portugal, uma medida que tenha melhorado a vida dos portugueses”. Depois também pediu “força para estas eleições e para o PS”, mas o aplauso que se seguiu a este apelo foi tudo menos enérgico.

E o candidato nem se pode queixar do aquecimento deste almoço-comício. É certo que, por aquela altura, já passava das duas da tarde e os estômagos continuavam vazios, mas antes dele tinha falado Jorge Coelho, o “mangualdense” e para sempre “homem da máquina socialista” a quem nunca sobram décibeis na escala de intensidade sonora. Num discurso consegue a proeza de se ligar do coração às gentes da terra, ao autarca da terra, ao candidato do PS às Europeias, à secretária-geral adjunta e, claro ao “amigo” líder socialista. Lembra-se de Pedro Marques “desde o tempo em que se candidatava pelo Montijo” ele era o cabeça de lista pelo PS em Setúbal “também ao lado da Ana Catarina Mendes, a secretária-geral adjunta”.

Depois outra proeza: pôr benfiquistas e sportinguistas num fim de campeonato a aplaudirem em conjunto. Num ataque a Paulo Rangel e ao seu argumento de que a lista do PS é pior do que a do PSD, Coelho falou nos seus dois netos benfiquistas que o tentam convencer a mudar de clube: “Ó avô o porque é que és do Sporting? O Sporting não presta. Parece isto, a minha equipa é melhor que a tua, a minha lista é que é boa, a tua não presta. Um conceito completamente infantil, ridículo e impróprio de alguém que é cabeça de lista de um grande partido como é o PSD”. Cada vez que referia o nome de um dos clubes a sala reagia e Coelho lá pediu um aplauso conjunto e conseguiu.

Campanha de Pedro Marques, do PS, para as eleições Europeias: Jorge Coelho fala no almoço comício em Mangualde ANDRÉ DIAS NOBRE / OBSERVADOR

O mangualdense, Jorge Coelho, a aquecer o palco do primeiro comício da campanha oficial do PS ANDRÉ DIAS NOBRE / OBSERVADOR

“A direita tem de ser punida”, pediu Coelho que considera que PSD e CDS têm de “levar uma resposta dos portugueses para que não se metam neste tipo de ação política que põe em causa o futuro do país”, disse referindo-se em concreto à questão dos professores. Aqui, o elogio principal foi para António Costa e na gestão que fez deste dossiê, ameaçando demitir-se. “É preciso ter coragem para isto! Temos um primeiro-ministro à altura da nossa história e do nosso futuro”.

Já os maiores elogios ao candidato socialista nas eleições que se disputam nesta volta, as Europeias, vieram do diretor de campanha de Pedro Marques e presidente da Câmara Municipal de Mangualde. João Azevedo é o homem que Jorge Coelho se lembra de se ter queixado de não ter conseguido “sete a zero” no número de mandatos conquistados na câmara, nas últimas autárquicas. Ao microfone disputou decibéis com o histórico socialista e elogiou o seu candidato pela requalificação do IP3: “Uma realidade de facto que só foi possível porque temos o primeiro-ministro que aqui está e o ex-ministro das obras públicas Pedro Marques. Quiseram esta solução, conseguiram resolver o problema para a região”, declarou o autarca João Azevedo. A obra de requalificação foi, no entanto, anunciada há quatro dias no Parlamento pelo deputado socialista Pedro Coimbra.

Pedro Marques, António Costa e Frans Timmermans a ouvirem os ranchos folclóricos à chegada ANDRÉ DIAS NOBRE / OBSERVADOR

Jorge Coelho passou quase ao diretor de campanha de Pedro Marques a sua faixa de “homem da máquina”, chamando-lhe “máquina de combate político”. De facto, na iniciativa com que o PS arrancou com a sua campanha oficial, João Azevedo conseguiu tudo o que um catálogo de primeiro-almoço-de-campanha-eleitoral traria se existisse.

“Foi o presidente da Câmara que nos convidou. Há aqui gente que não é do PS, não fazemos diferenças”, diz um membro do Rancho de Fagilde que, pouco depois, com os outros dois ranchos que receberam António Costa à entrada do armazém, entraram na sala para almoçar. Um almoço-comício que foi uma prova de força, reclamou António Costa lembrando o distrito de outros tempos políticos: “Aos que diziam que Viseu era o cavaquistão, é aqui em Viseu que mostramos a força e energia do PS”.

Oiça as melhores histórias destas eleições europeias no podcast do Observador Eurovisões, publicado de segunda a sexta-feira até ao dia do voto.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rtavares@observador.pt
Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
134

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)