O ministro dos Negócios Estrangeiros português disse esta quarta-feira que a expectativa face à indigitação de Boris Johnson como primeiro-ministro britânico “é positiva, porque há um governo” para responder a questões sobre o Brexit.

“Para todos os efeitos, há um novo primeiro-ministro no Reino Unido, segundo as regras e as decisões próprias do Reino Unido”, afirmou Augusto Santos Silva aos jornalistas à margem da cerimónia de operacionalização do Fundo para Apoio à Recuperação e Reconstrução de Moçambique, em Lisboa.

No entender do chefe da diplomacia portuguesa, isto significa “a formação de um novo governo”. “E esse é um dado positivo, porque nós esperamos que as autoridades britânicas nos digam qual é a solução que entendem que é melhor do que aquela que acertámos com a senhora primeira-ministra, Theresa May, reprovada três vezes pela Câmara dos Comuns”, declarou.

Quanto à posição portuguesa, Santos Silva garantiu que será sempre a mesma, a de abertura para trabalhar no sentido de se encontrar uma solução que evite uma saída do Reino Unido de forma “caótica”.

“Entendemos que o que há a evitar a todo o custo é uma saída do Reino Unido da União Europeia desordenada, caótica, e há duas maneiras de o fazer: através do acordo que foi negociado com o anterior governo britânico, mas isso depende do Parlamento britânico aprovar; a outra forma de evitar depende de nós e dos britânicos, que é através do plano de contingência, para o qual nós já estamos todos preparados. Mas para isso é preciso reciprocidade do lado britânico”, referiu Santos Silva.

O ministro dos Negócios Estrangeiros deixou claro que o Governo português está aberto a ouvir melhores propostas.

“Como o atual primeiro-ministro britânico tem insistido em que tem ideias melhores, a nossa posição é ouvir atentamente o que ele nos vai dizer”, declarou, adiantando que espera que a formação do governo britânico seja rápida.

Questionado sobre se está mais ou menos otimista quanto ao futuro com a nomeação de Boris Johnson, Santos Silva adiantou: “A minha expetativa é que há um novo governo e, finalmente, vamos poder saber quais são as ideias desse governo. E pensamos que vamos poder esperar que o Reino Unido nos responda, finalmente, à pergunta que vimos fazendo há muitos meses: ‘O que é que vocês querem, já que não quiseram o acordo celebrado?’”.

O líder do partido Conservador, Boris Johnson, foi hoje indigitado primeiro-ministro britânico pela Rainha Isabel II, na sequência da demissão formal de Theresa May devido à dificuldade em implementar o Brexit, foi esta quarta-feira anunciado.