Os quatro argelinos acusados de terem violado uma jovem de 18 anos em Bilbau, em Espanha, vão ser enviados para o país de origem depois de a investigação à agressão terminar. Segundo o El Mundo, a Polícia Nacional verificou que os quatro homens — a “manada de Bilbao”, como ficaram conhecidos na comunicação social — estavam em Espanha numa situação irregular de imigração, o que levou as autoridades a iniciar um processo de expulsão.

Seis homens terão atacado a rapariga às 23h de 1 de agosto no parque central de Etxebarria. Depois da violação, terão atirado 17 euros para junto da jovem, que foi deixada ao abandono junto aos arbustos. A jovem deslocou-se ao hospital de Basurto pelo próprio pé e, a seguir, apresentou queixa na polícia, a quem deu uma descrição física minuciosa dos alegados agressores. Os homens foram encontrados pouco depois e reconhecidos pela vítima.

Dois deles continuam detidos. Os restantes suspeitos foram submetidos a exames de ADN para determinar se  participaram na violação. Os resultados ainda não são conhecidos e, enquanto não saírem, a “manada de Bilbau” foi posta em liberdade. Os festejos dos quatro homens no momento da liberdade causaram indignação em Espanha: perante as câmaras de televisão, num espanhol pobre, perceberam-se as palavras “liberdade”, “Argélia”, “haxixe” e “droga”. E uma frase: “Não f*** à bruta. Fala rapariga. Não rapariga, não f*** [se a rapariga dissesse que não, não teríamos relações sexuais]. Boa festa”.

Ainda esta quinta-feira, um novo caso de violação em grupo ficou conhecido em Espanha. Em Benidorm, cinco jovens franceses foram detidos na madrugada desta quarta-feira por terem alegadamente violado uma jovem norueguesa de 20 anos. Tinham-se conhecido através do Instagram e, quando se encontraram, terão atacado a rapariga. Segundo ela, uma segunda mulher também terá sido violada quando dois homens entraram no quarto onde ela pernoitava. Essa mulher ainda não foi identificada.

Estas investigações fazem lembrar o caso de 2016 em Córdoba, quando cinco elementos de um grupo conhecido como “La Manada” violou uma jovem de 18 anos. O tribunal condenou-os a 9 anos de prisão por abuso sexual, mas não por violação, um crime punido com uma pena superior. O caso seguiu para instâncias superiores e, já em Supremo Tribunal, a justiça considerou o ataque como uma violação em grupo. Os perpetradores acabaram condenados a penas de 15 anos de prisão.