Rádio Observador

Espanha

“Manada” de Bilbao. Quatro suspeitos libertados vão ser expulsos para a Argélia

330

Os quatro suspeitos de violação de uma jovem em Bilbau que foram libertados vão ser expulsos de Espanha e enviados para a Argélia quando a investigação terminar. Estão em situação irregular.

Dos seis detidos, quatro foram libertados enquanto se esperam resultados das análises de ADN

SOPA Images/LightRocket via Gett

Os quatro argelinos acusados de terem violado uma jovem de 18 anos em Bilbau, em Espanha, vão ser enviados para o país de origem depois de a investigação à agressão terminar. Segundo o El Mundo, a Polícia Nacional verificou que os quatro homens — a “manada de Bilbao”, como ficaram conhecidos na comunicação social — estavam em Espanha numa situação irregular de imigração, o que levou as autoridades a iniciar um processo de expulsão.

Seis homens terão atacado a rapariga às 23h de 1 de agosto no parque central de Etxebarria. Depois da violação, terão atirado 17 euros para junto da jovem, que foi deixada ao abandono junto aos arbustos. A jovem deslocou-se ao hospital de Basurto pelo próprio pé e, a seguir, apresentou queixa na polícia, a quem deu uma descrição física minuciosa dos alegados agressores. Os homens foram encontrados pouco depois e reconhecidos pela vítima.

Dois deles continuam detidos. Os restantes suspeitos foram submetidos a exames de ADN para determinar se  participaram na violação. Os resultados ainda não são conhecidos e, enquanto não saírem, a “manada de Bilbau” foi posta em liberdade. Os festejos dos quatro homens no momento da liberdade causaram indignação em Espanha: perante as câmaras de televisão, num espanhol pobre, perceberam-se as palavras “liberdade”, “Argélia”, “haxixe” e “droga”. E uma frase: “Não f*** à bruta. Fala rapariga. Não rapariga, não f*** [se a rapariga dissesse que não, não teríamos relações sexuais]. Boa festa”.

Ainda esta quinta-feira, um novo caso de violação em grupo ficou conhecido em Espanha. Em Benidorm, cinco jovens franceses foram detidos na madrugada desta quarta-feira por terem alegadamente violado uma jovem norueguesa de 20 anos. Tinham-se conhecido através do Instagram e, quando se encontraram, terão atacado a rapariga. Segundo ela, uma segunda mulher também terá sido violada quando dois homens entraram no quarto onde ela pernoitava. Essa mulher ainda não foi identificada.

Estas investigações fazem lembrar o caso de 2016 em Córdoba, quando cinco elementos de um grupo conhecido como “La Manada” violou uma jovem de 18 anos. O tribunal condenou-os a 9 anos de prisão por abuso sexual, mas não por violação, um crime punido com uma pena superior. O caso seguiu para instâncias superiores e, já em Supremo Tribunal, a justiça considerou o ataque como uma violação em grupo. Os perpetradores acabaram condenados a penas de 15 anos de prisão.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)