Foi uma cláusula que surpreendeu os adeptos do Sporting, na altura em que saltou para as capas dos jornais, e que tornou (ainda mais) premente a transferência de Bruno Fernandes. O contrato que o médio português assinou quando voltou atrás na decisão de rescindir unilateralmente com o clube depois das agressões em Alcochete, indica que Bruno Fernandes teria de receber cinco milhões de euros caso o Sporting recusasse uma proposta superior a 35 milhões de euros pelo jogador. Ora, o Tottenham, o único clube que apresentou uma proposta formal pelo internacional português ao longo do verão, ofereceu 60 milhões de euros por Bruno Fernandes — e os leões disseram que não. Contas feitas e o médio já deveria ter por esta altura mais cinco milhões de euros na conta bancária.

Mas não tem. Segundo o jornal Record, o capitão leonino abdicou dos cinco milhões de euros a que tinha direito e vai tratar dos detalhes do novo contrato, que beneficia Bruno Fernandes a nível salarial, quando regressar da concentração da Seleção Nacional. A edição desta quarta-feira do jornal desportivo revela ainda que o médio terá avisado todos os colegas de equipa de que Marcel Keizer se tinha demitido através de uma mensagem de WhatsApp, enviada para o grupo que reúne todos os elementos do plantel — o que significa que, mesmo estando às ordens de Fernando Santos, Bruno Fernandes não esquece as responsabilidades que tem enquanto capitão de equipa e figura maior do clube, principalmente numa altura de mudança de treinador e instabilidade inerente. O jogador foi informado da saída do treinador holandês e decidiu colocar os colegas a par da situação, já que Keizer ainda orientou o treino desta terça-feira de manhã e só reuniu com a direção após a sessão, regressando ao balneário numa altura em que já estava vazio (e tendo em conta que muitos internacionais estão nesta altura com as seleções e fora de Portugal).

Marcel Keizer rescindiu então com o Sporting esta terça-feira e o adjunto que trouxe consigo para Portugal, o também holandês Roy Hendriksen, deve acompanhá-lo na saída. Ao contrário de Rodolfo Correia, treinador adjunto, Gonçalo Álvaro, preparador físico, e ainda Nélson Pereira, treinador de guarda-redes, que devem permanecer no clube e integrar agora a equipa técnica liderada por Leonel Pontes. O novo técnico leonino, antigo treinador dos Sub-23 do clube — que irão agora ser assumidos por Emanuel Ferro, ex-adjunto de Pontes –, já orientou o treino desta quarta-feira, ainda sem os dez jogadores internacionais que estão ao serviço das seleções mas já com os reforços Jesé e Yannick Bolasie (Fernando, por estar a cumprir exames médicos complementares, ainda não integrou a sessão).

Entretanto, o jornal Super Deporte revela esta quarta-feira alguns detalhes sobre a contratação de Thierry Correia por parte do Valencia. O clube espanhol ficou interessado no lateral direito desde o final de julho, altura em que foi o convidado do Sporting para o Troféu Cinco Violinos, que serve como apresentação oficial da equipa leonina aos adeptos, mas olhou para Thierry como uma opção para o futuro, face à juventude do jogador e à presença de Piccini e Wass no plantel do Valencia. Tudo mudou quando Piccini, italiano que também passou uma época em Alvalade, se lesionou gravemente: o clube espanhol olhou primeiro para o albanês Eliseid Hysaj, do Nápoles, mas desistiu face ao elevado valor pedido pelos italianos, e também colocou o nome de Nélson Semedo em cima da mesa mas as negociações com o Barcelona nunca estiveram particularmente avançadas.

O treinador Marcelino García Toral chegou a afirmar que dificilmente chegaria um lateral direito a Valencia até ao fecho do mercado mas a verdade é que, no último dia da janela de transferências, o clube espanhol conseguiu garantir Thierry Correia — não obstante as dúvidas da equipa técnica espanhola face aos apenas 19 anos do jogador e ao facto de só ter estado em cinco partidas com a equipa principal do Sporting. O Valencia vai pagar aos leões em quatro prestações de três milhões de euros, até chegar ao 12 milhões finais, e o Super Deporte explica que o clube vai esperar para observar o rendimento de Thierry e decidir no final da temporada se fica com o lateral ou se o empresta.