Depois da polémica em torno da alegada interferência russa nas eleições norte-americanas de 2016, nomeadamente através do Facebook, agora é a Rússia que se queixa do papel da empresa de Mark Zuckerberg, mas também da Google, nas eleições regionais deste domingo, de acordo com a Reuters.

A entidade estatal russa que monitoriza as comunicações afirma que a Google e o Facebook permitiram a disseminação de propaganda política durante as eleições regionais deste domingo, apesar de terem sido interpeladas para que proibissem essa difusão.

O regulador russo entende que “essas ações podem ser vistas como uma interferência nos assuntos de Estado da Rússia, prejudicando a condução das eleições democráticas na Federação Russa”.

As eleições regionais tiveram lugar este fim de semana depois de vários candidatos da oposição terem sido excluídos, o que motivou grandes protestos em Moscovo nas últimas semanas.