São 300 páginas. O relatório divulgado esta terça-feira pela comissão de Informação da Câmara dos Representantes, de maioria democrata, mostra que Donald Trump tentou “pessoalmente e através de agentes, dentro e fora do governo” a inferência da Ucrânia para “favorecer a sua campanha de reeleição” nas presidenciais de 2020. O relatório afirma que “Trump colocou os seus interesses políticos e pessoais acima dos interesses dos Estados Unidos da América”.

“O inquérito de impeachment a Donald Trump, 45.º presidente dos Estados Unidos, desmascarou um mês de tentativas de, recorrendo ao poder conferido pela posição que ocupa, pedir a interferência estrangeira em seu nome nas eleições de 2020″, pode ler-se no relatório que foi divulgado antes da votação desta noite, o próximo passo no processo de impeachment ao presidente norte-americano.

Segundo o New York Times, o relatório põe a nu uma “campanha sem precedentes de obstrução ao processo de impeachment“, orquestrada por Trump, que terá tentado impedir a divulgação de documentos oficiais do Departamento do Estado ou da Defesa e que eventuais testemunhas pudessem cooperar com a investigação.

“Os danos provocados no nosso sistema de pesos e contrapesos, e no equilíbrio do poder nos três ramos do governo, serão duradouros e potencialmente irrevogáveis caso não haja qualquer controlo sobre a capacidade do presidente impedir o Congresso”, conclui o relatório, acrescentando ainda que “qualquer futuro presidente irá sentir-se capacitado a resistir a investigações sobre as suas transgressões, más práticas ou corrupção, sendo o resultado uma nação em risco”.

O inquérito que visa a destituição de Donald Trump reuniu “provas esmagadoras” de “conduta inapropriada” do Presidente, segundo o relatório oficial da comissão parlamentar que realizou as investigações.

“O Presidente condicionou um convite (ao Presidente ucraniano) para uma ida à Casa Branca e a ajuda militar à Ucrânia ao anúncio de inquéritos favoráveis à sua campanha” eleitoral, detalharam os autores do documento, que também acusaram Trump de ter “entravado” as investigações.

Comité de Informação aprova relatório sobre processo de impeachment

Apesar de o relatório não apontar claramente para artigos específicos que levem à destituição do presidente dos Estados Unidos, o documento sugere — entre outros — acusações de obstrução à justiça. Os democratas que integram o Comité de Informação também acusam Trump de encobrimento, alegando que o presidente “ordenou e implementou uma campanha para ocultar a sua conduta do público, frustrar e obstruir o processo de impeachment”.

Os membros do Comité de Informação aprovaram o relatório do processo de impeachment, com 13 votos a favor e 9 contra.