As autoridades da Nigéria anunciaram esta quinta-feira que 14 pessoas, incluindo dois trabalhadores da Cruz Vermelha, foram raptadas no nordeste do país, quando viajavam de carro na quarta-feira à noite no estado de Borno.

“Os terroristas do Estado Islâmico na África Ocidental estabeleceram um posto de controlo na estrada que liga Maiduguri a Damaturu, no nordeste do país, e levaram 14 pessoas, que os confundiram com soldados em patrulha“, disse uma fonte de segurança à agência de notícias France-Presse.

Os terroristas criaram a ilusão de um controlo militar na estrada, obrigando as viaturas a parar, já ao cair da noite, explicou a mesma fonte. “Entre as vítimas raptadas está um sargento do exército e a sua família, que regressavam de uma viagem, dois funcionários da Cruz Vermelha e seis residentes em Maiduguri que tinham ido apanhar gafanhotos [um prato tradicional] na floresta”, acrescentou.

Também na Nigéria, nove pessoas foram mortas num ataque a uma aldeia no centro do país, onde os ataques de grupos armados têm aumentado nos últimos meses. Segundo disseram moradores à agência francesa, dezenas de homens armados chegaram de mota à aldeia de Kukoki, no centro da Nigéria, e dispararam contra a população, saqueando e incendiando as casas.