A companhia aérea alemã Lufthansa disse esta sexta-feira que cancelou os seus voos de Frankfurt para Teerão “como medida de precaução”, devido à situação de insegurança do espaço aéreo em torno do aeroporto iraniano.

A companhia anunciou que o seu voo diário desta sexta-feira tinha sido cancelado, tendo o mesmo já acontecido, na quinta-feira, uma decisão tomada depois de um avião comercial ucraniano se ter despenhado na quarta-feira perto de Teerão.

“Assim que tivermos informações detalhadas, decidiremos se e quando os nossos voos para o Irão poderão ser operados novamente”, informou a Lufthansa num comunicado.

Um Boeing 737 da companhia Ukraine International Airlines (UIA) despenhou-se na quarta-feira em Teerão, matando 176 pessoas, na maioria iranianos e canadianos.

Autoridades norte-americanas, canadianas e britânicas declararam que é “altamente provável” que o Irão tenha abatido acidentalmente o avião civil, mas a Autoridade da Aviação Civil do Irão disse hoje ter a “certeza” que o Boeing “não foi atingido por um míssil”.

As autoridades iranianas anunciaram esta sexta-feira que uma equipa canadiana de dez pessoas está “a caminho do Irão”, tendo ainda convidado a Boeing e a agência norte-americana para a segurança dos transportes (NTSB) a participarem na investigação.

A Ucrânia enviou para Teerão uma equipa de 45 investigadores para estudar as causas do desastre aéreo.

O acidente ocorreu horas depois do lançamento de mísseis iranianos contra duas bases da coligação internacional liderada pelos Estados Unidos, em Ain Assad e Erbil, no Iraque, numa operação de vingança pela morte do general iraniano Qassem Soleimani.

Outras companhias aéreas já haviam cancelado voos para a região do Médio Oriente, como a Air France e a própria Lufthansa, ou alteraram as rotas dos seus aviões para não sobrevoarem o espaço aéreo iraniano, tais como a australiana Qantas ou a Malaysia Airlines, a Singapore Airlines, entre outras.