O Banco Central Europeu (BCE), liderado pela francesa Christine Lagarde, está a pressionar a Comissão Europeia para que se avance no sentido da criação de um “banco mau” que serviria para que as instituições financeiras pudessem transferir para esse veículo o crédito malparado que têm nos seus balanços.

Segundo o Financial Times, já houve reuniões em Bruxelas, ao mais alto nível, em que representantes do BCE defenderam que é mais necessário do que nunca, tendo em conta esta crise económica causada pela Covid-19, ajudar os bancos a libertarem-se dos ativos tóxicos que têm já desde o período anterior à crise financeira da década passada.

Esse era um processo que estava a decorrer há vários anos, tendo sido estabelecidas metas para os próximos anos para que os bancos acelerassem essa “limpeza” de exposições problemáticas. Mas, com a crise gerada pelo vírus, essas metas tornaram-se ainda mais desafiantes – e, além disso, a existência desse crédito malparado pode tornar-se um impedimento a que a banca tenha condições para dinamizar a retoma.

Porém, a proposta do BCE está a enfrentar resistência na Comissão Europeia, que vê com relutância a possibilidade de avançar com essa “ajuda” aos bancos sem que sejam, primeiro, ativadas as regras da resolução bancária aprovadas em 2016 – regras que fazem com que tivessem de ser impostas perdas a acionistas e credores dos bancos antes de poder haver uma assistência pública no escoamento de crédito malparado.

Além de Itália, um dos países mais fustigados pela pandemia Covid-10, a Grécia é um dos países onde o crédito malparado é um problema maior. Cerca de 35% dos créditos que estão nos balanços da banca grega são ativos não-rentáveis, segundo dados citados pelo Financial Times.

Yannis Stournaras, governador do Banco da Grécia e membro do Conselho do BCE, diz ao jornal britânico que “a lição que aprendemos com a última crise é que só com um ‘banco mau’ é possível livrar-se rapidamente do malparado” e lança um repto: “O ‘banco mau’ pode ser europeu ou nacional. Mas tem de ser criado rapidamente”.

O rácio de crédito malparado no sistema bancário português diminuiu 0,6 pontos percentuais, para 7,7%, no terceiro trimestre de 2019.

Rácio de crédito malparado diminui para 7,7% no 3.º trimestre, diz Banco de Portugal