Depois dos primeiros relatos de uma possível vacina para a Covid-19 já em setembro, numa espécie de lufada de ar fresco para quem começa a sair do confinamento e a enfrentar uma nova realidade indesejada, a Agência Europeia do Medicamento (AEM) mostra-se esta quinta-feira “cética” em relação a essa previsão, mas num cenário “otimista” espera ter um antídoto para o novo coronavírus durante o próximo ano.

“Para vacinas e uma vez que o seu desenvolvimento começa do zero, podemos ver as coisas do lado otimista e apontar um ano a partir de agora, ou seja no início de 2021”, disse Marco diretor da estratégia de ameaças e vacinas à saúde biológica da AEM, citado pela agência Reuters.

Segundo o responsável, não é possível “saltar” a terceira fase dos testes à vacina — de modo a encurtar o processo — uma vez que é neste ponto que se garante que a vacina é segura e eficaz. A AEM está a trabalhar em 115 tratamentos diferentes para o novo coronavírus, sendo que alguns desses podem ser aprovados na Europa já neste verão, embora Cavaleri não tenha especificado quais.

Não haverá vacina ou tratamento nos próximos meses, alerta Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças