*Em atualização.

Entre 15 mil a 20 mil pessoas saíram às ruas em Paris, em França, para protestar contra a violência policial e o racismo este sábado. Como avança o Le Figaro, por volta das 17h30 (16h30 de Lisboa) este protesto desencadeou confrontos com a polícia na Place de la République depois de terem sido atirado objetos às autoridades.

[Noutra cidades, como Marselha, também estão a decorrer protestos]

Antes de começarem os confrontos na Place de la République, as autoridades fizeram cerca de uma dúzia de detenções a ativistas do Generation Identity, um grupo de extrema direita. Em causa estava uma faixa que estas pessoas empunhavam a acusar os manifestantes de “racismo anti-branco”. O comissário da polícia de Paris afirmou que se a polícia não tivesse intervido “eles teriam sido linchados pela multidão”.

De acordo com Le Figaro, na manifestação era possível ver muito “ódio anti-polícia”. Ao mesmo tempo, houve também contraprotestos de ativistas de extrema-direita. O jornal afirma, segundo estimativas próprias, que houve 20 mil pessoas no local, mas a câmara de Paris fala em 15 mil.

[Um vídeo que tem sido partilhado no Twitter dos confrontos]

Atualmente, devido à pandemia de Covid-19, estão proibidos os protestos com mais de 10 pessoas. Mesmo assim, sem uma manifestação autorizada, as autoridades policias de Paris pediram para se encerrar várias lojas na rota que esta ação contra o racismo e violência policial poderia fazer.

[Ao mesmo tempo que decorria o protesto houve também uma contra-manifestação feita por um grupo de extrema direita]

Este sábado decorreram também protestos noutras cidades francesas como Marselha, Lyon, Montpellier, Nantes e Bordéus. Este domingo estão já marcados novos protestos em Estraburgo. Estas manifestações estão a ser promovidas pelo “Comité Adama Traoré”, que lembra a morte de um jovem negro em 2016 em Paris que estava sob custódia policial, como refere a Euronews.

Protestos antirracismo em Londres. Contra-manifestantes, manifestantes e polícia em confrontos

Estas manifestações seguem os protestos que têm ocorridos nos EUA após o homicídio perpetuado pela polícia de Minneapolis a George Floyd. Este sábado também houve protestos em Inglaterra. Pelo menos 15 pessoas (duas quais polícias) ficaram feridas.