Os 22 migrantes, oriundos do Norte de África, que foram detetados ao largo de Quarteira, Faro, vão ser esta terça-feira presentes ao Tribunal Judicial de Loulé para aplicação de medidas de coação, segundo o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

Em comunicado, o SEF adianta que os 22 migrantes, detetados na segunda-feira na praia de Vale de Lobo, no Algarve, “serão hoje presentes ao Tribunal Judicial de Loulé para aplicação de medidas de coação, com vista à instauração de processos de afastamento coercivo por permanência irregular em território nacional”.

Barco com 22 migrantes intercetado na praia de Vale do Lobo, no Algarve

De acordo com a nota, os migrantes, todos do sexo masculino, estiveram durante o dia de segunda-feira à guarda do SEF, que desenvolveu os procedimentos para apurar as suas identidades, uma vez que chegaram sem documentos. O grupo foi transferido na noite passada para postos da Guarda Nacional Republicana (GNR) e esquadras da Polícia de Segurança Pública (PSP) do distrito de Faro, onde pernoitaram.

Todos os migrantes intercetados no Algarve testaram negativo à Covid-19

O SEF salienta ainda que aos “cidadãos, intercetados pela Polícia Marítima, foram, sempre garantidas as necessidades básicas, incluindo alimentação e assistência médica”.

Uma embarcação com 22 homens, alegadamente de origem marroquina, foi intercetada na segunda-feira de madrugada quando os tripulantes se preparavam para desembarcar na Praia de Vale do Lobo, no Algarve, disse à Lusa o comandante da Zona marítima do Sul.

Migrações. 48 migrantes ilegais intercetados no Algarve em seis meses