Um homem foi morto esta segunda-feira pela polícia, em Luanda, capital de Angola, na sequência de um desentendimento após uma repreensão a um grupo de jovens por não usarem máscaras, disse à agência Lusa fonte policial.

Segundo o porta-voz do comando provincial de Luanda da Polícia Nacional, Nestor Goubel, tratou-se de um incidente, ocorrido por volta das 2h00 desta segunda-feira, que envolveu um jovem, que se encontrava num grupo de pessoas alegadamente sem respeitarem as medidas de prevenção da Covid-19, impostas pelas autoridades.

“Foi um incidente de trabalho, o colega estava no seu exercício e no âmbito da fiscalização dos incumprimentos, um grupo de jovens, no Prenda, insurgiram-se contra a polícia e na tentativa de os afastar o colega acidentalmente disparou, atingindo mortalmente um deles”, explicou Nestor Goubel.

O responsável avançou ainda que o grupo se encontrava a consumir bebidas alcoólicas, pelo que foram chamados a abandonar o local.

Nestor Goubel referiu que, em reação, alguns jovens pretendiam destruir a esquadra móvel no local, tendo montado barricadas de pneus com fogo na estrada, e por isso foi necessário um reforço da polícia para conter os ânimos. “A reação agudizou-se nas primeiras horas de hoje, algumas pessoas aproveitaram-se do momento e criaram barricadas, e queriam insurgir-se contra os efetivos que estavam na esquadra móvel para causar danos”, referiu.

De acordo com o porta-voz do comando provincial de Luanda da Polícia, os efetivos envolvidos no caso já se encontram detidos. A polícia está igualmente a dialogar com os familiares da vítima e a tratar com a polícia dos trâmites para o funeral, indicou ainda Nestor Goubel, sublinhando que a situação já está controlada.

No âmbito das novas regras de prevenção e combate à Covid-19, o uso de máscara facial na via pública é obrigatório, com a pena do pagamento de multas entre os 5.000 e 10.000 kwanzas (entre oito e 16 euros) para quem desrespeitar a medida.

Angola tem 506 infetados com a Covid-19 e morreram 26 pessoas.