A Skoda tem um “fraquinho” pelas bicicletas, em parte porque a sua aventura industrial começou em 1896 precisamente pela produção de bicicletas. Hoje figura entre as marcas que mais crescem dentro do Grupo Volkswagen, mas isso não impede o construtor de automóveis checo de continuar fiel ao ciclismo, especialmente na sua vertente de competição. A prova disso é o seu apoio a provas internacionais como o Tour de France, ou o Le Tour, como também é conhecido.

A 107ª edição do Le Tour, disputada entre 29 de Agosto e 20 de Setembro, levou 176 dos melhores ciclistas mundiais a percorrer 3484 km, divididos por 21 etapas e, neste ano de 2020, teve um veículo electrificado como carro do director – o tradicional carro “vermelho” –, a partir do qual toda a prova é acompanhada e, dentro do qual, tudo é decidido.

O modelo em causa foi o Superb iV, um híbrido plug-in (PHEV) que complementa um motor a gasolina com outro eléctrico, alimentado por uma bateria, para não só reduzir os consumos como ainda para usufruir de um modo de condução eléctrico.

Mas, em três das 21 etapas, o Superb PHEV foi substituído pelo Skoda Enyaq iV, um modelo 100% eléctrico, que não poluiu nada durante os quilómetros que percorreu. O apoio à maratona francesa de ciclismo, por parte da marca checa, vai repetir-se em 2021, restando saber quantas etapas ficarão a cargo do Enyaq iV, que este ano ainda era um protótipo sem matrícula convencional, mas que em 2021 já estará à venda e com autonomia suficiente para as etapas da prova.