Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Franco Morbidelli falou num Miguel Oliveira “intocável”, Jack Miller analisou um Miguel Oliveira “de outro nível”. Até os outros pilotos no pódio ficaram surpreendidos pela forma como o português dominou por completo este Grande Prémio de Portugal, chegando a ter uma vantagem de 4.5 segundos ao longo de uma corrida que acabou por ter pouca história. E a calma com que o número 88 descreveu depois esse triunfo acabou por explicar todo esse sucesso, não só na última corrida da temporada mas também num ano de afirmação como foi o de 2020.

Calculista, genial, perfeito: Miguel Oliveira faz (mais) história e conquista Grande Prémio de Portugal

“Foi um fim de semana perfeito, a começar pela pole position ontem [sábado]. O maior objetivo era concretizar isso na corrida, que conseguimos. A equipa está de parabéns. Deixo a Tech3 com um sorriso e uma vitória, o que me deixa muito orgulhoso. A partir de agora é desfrutar e continuar a trabalhar. Quero deixar também o meu obrigado a todos os que estão em casa, a todos os que não puderam vir ao Algarve prestar o apoio mas sei que todos deram desse lado a força necessária e acreditem que hoje era preciso toda a força para gerir todas as voltas da corrida”, começou por referir à SportTV, já devidamente restabelecido de todas as emoções em Portimão.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Houve muitas alturas nesta época em que precisei muito mais da minha família do que é normal, o facto de não poderem vir às corridas custa. Tive de me adaptar. Tê-los aqui hoje deu-me uma força enorme, os meus adversários a seguir ao pódio diziam que não conseguiam explicar como é que tinha conseguido ser tão rápido e talvez seja isto. Esta época foi uma montanha russa de emoções mas acabou com um final feliz”, prosseguiu, após o primeiro triunfo em que contou com as pessoas mais próximas, o que não acontecera na Estíria.

“Foi muito especial ter o Guy [Coulon] no pódio, foi a última corrida dele como chefe dos mecânicos, para ele também foi muito especial. Deixo a Tech3 com alguma tristeza, durante estes dois anos formámos uma ligação humana muito boa e agora tenho de construir isso do outro lado da box mas acredito que tanto eu como o outro lado estamos preparados para mais vitórias”, concluiu o português nessa zona de entrevistas rápidas.

Antes, ainda assim, nem tudo foi tão calmo. E depois da celebração com todos os comissários e técnicos de pista a saudar o português, que já andava com a bandeira de Portugal ao ombro, a chegada ao parque fechado do circuito trouxe as emoções à flor da pele, com Miguel Oliveira (que aí já não tinha a tal bandeira que voara com o vento) a abraçar a família antes de baixar a cabeça e soltar as lágrimas que simbolizaram a alegria de um fim de semana perfeito onde ganhou tudo o que havia para ganhar. Recomposto, ainda abraçou Pir Beirer, foi “engolido” por Hervé Poncharal e subiu à moto para a primeira foto como vencedor, não com a língua de fora como na Estíria mas com o indicador bem levantado, antes de fazer algumas selfies e deixar as primeiras palavras.

“É surreal! Sonha-se com este tipo de corridas e conseguir é incrível, não há palavras. Tenho de agradecer a todos, aos fãs que não puderam esta aqui. É uma vitória para a Tech3, para a KTM e para a minha família que não tinha visto a minha primeira vitória no MotoGP mas que hoje está aqui. É muito bom acabar a época assim”, tinha resumido na primeira zona de entrevistas rápidas da transmissão internacional. Pouco depois, foi ao pódio, cantou o hino e abriu o champanhe que, como de costume, não provou – mas que deu a Guy Coulon.