Nem todos os países exigem testes negativos à Covid-19 para poder realizar viagens, mas a grande maioria pede aos passageiros que cumpram um período de isolamento, a quarentena, aquando da chegada ao destino. Por isso, os diretores-executivos da British Airways, Delta Air Lines, Airbus e easyJet apelaram a vários países que passem a exigir testes à Covid-19 aos passageiros, antes do embarque.

As companhias aéreas estão preocupadas com o desvio do foco em relação ao retomar das viagens aéreas com os avanços que vão sendo conseguidos na área da vacinação contra o novo coronavírus e que podem levar os passageiros a adiar para mais tarde eventuais viagens.

“Os testes serão essenciais para a abertura de viagens internacionais. A distribuição das vacinas é uma fase que irá demorar algum tempo”, afirmou Ed Bastian, diretor da Delta, citado no Financial Times acrescentando que as notícias das vacinas podem ser “negativas” com as pessoas a optarem por adiar viagens até que sejam vacinadas.

Outra das condicionantes das companhias aéreas é a falta de transversalidade das medidas exigidas pelos vários países da União Europeia e a falta de “legitimidade para agir em questões de saúde”. A Alemanha e a Irlanda, por exemplo, estão a planear exigir testes aos passageiros, de forma a reduzir o tempo de quarentena a cinco dias e o Reino Unido vai passar a pedir que os passageiros que chegam ao país cumpram apenas uma semana de quarentena.

Já o diretor-executivo da British Airways defende que é necessária “uma solução a curto prazo para fazer com que as viagens voltem a existir”.  Ainda que as notícias animadoras das vacinas apontem para o início do próximo ano o início da vacinação e imunização da população, as companhias aéreas não têm expectativas de retoma durante os primeiros meses do ano.