761kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

O acesso a cuidados intensivos está normalizado — este indicador mostra como a pressão diminuiu

Este artigo tem mais de 2 anos

Foi um dos indicadores usados para tomar a decisão de transferir doentes entre hospitais durante o pico da terceira vaga. Agora, está em valores confortáveis, a níveis de abril.

Uma enfermeira transporta material de apoio num dos corredores da Unidade de Cuidados Intensivos Covid 19 do Hospital Santa Maria em Lisboa, 27 de outubro de 2020. A urgência dedicada aos casos suspeitos de covid-19 do Hospital Santa Maria, em Lisboa, reflete a evolução da pandemia em Portugal com doentes a avolumarem-se à porta para realizar o teste e no interior a capacidade quase esgotada. O medo de perder o emprego leva muitos doentes com covid-19 a esconderem que estão infetados e a continuar a trabalhar, disseminando a doença que, nesta fase, começa a ser um caso também social e que leva a muitos internamentos no Santa Maria. (ACOMPANHA TEXTO DA LUSA DE 30 DE OUTUBRO DE 2020) TIAGO PETINGA/LUSA
i

O pico da pandemia traduziu-se em perto de 7 mil internados e mais de 900 doentes em cuidados intensivos

TIAGO PETINGA/LUSA

O pico da pandemia traduziu-se em perto de 7 mil internados e mais de 900 doentes em cuidados intensivos

TIAGO PETINGA/LUSA

A terceira vaga da pandemia e a respetiva pressão que foi exercida sobre o SNS em janeiro, deixando vários hospitais encostados às cordas, é uma história que se conta a diferentes velocidades. Se é certo que o número de doentes em cuidados intensivos com Covid-19 teve uma forte subida, ficou, no entanto, aquém da escalada de todos os internamentos hospitalares causados pelo coronavírus. A relação entre os dois números é sintetizada por um indicador que mostra como a capacidade dos cuidados intensivos foi levada ao limite nesse período — e como agora já não é tão difícil aceder a essas unidades, ajudando a aliviar a pressão sobre o SNS.

O número de camas ocupadas em unidades de cuidados intensivos (UCI) representava 17,2% de todos os internamentos a 1 de janeiro — depois de chegar a superar os 18% na quadra natalícia. Mas, um mês depois, estava já nos 12,6% — após atingir 11,8% na “fotografia” tirada a 26 de janeiro (um mínimo em vários meses).

“Nessa altura, nós tivemos esse rácio extremamente baixo porque havia muitos doentes internados e, embora muitos, proporcionalmente menos em [cuidados] intensivos”, indica João Gouveia, coordenador da comissão de acompanhamento da resposta nacional em medicina intensiva para a Covid-19, em declarações ao Observador.

Os internamentos em cuidados intensivos tiveram uma subida de 79% (382) entre 1 de janeiro e 1 de fevereiro (ou de 87,5% se esticarmos até 5 de fevereiro, quando foi registado o máximo de 904 doentes nestas unidades). Mas se juntarmos a estes doentes os internamentos em enfermaria, a escalada é muito maior — no espaço de um mês, houve mais 4.063 internados com Covid-19 em todas as unidades, um crescimento de 141,9%, até atingir o máximo de 1 de fevereiro (6.869 doentes).

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Cuidados intensivos tiveram “uma espécie de teto”

Este é um indicador que permitirá conclusões diferentes em diferentes momentos da pandemia, mas, no pico da crise, significa que “houve uma altura em que a resposta [em cuidados intensivos] teve uma espécie de teto”, explica João Gouveia. Ou seja, está em causa uma maior dificuldade no acesso às unidades de cuidados intensivos por parte de doentes graves: “Se houvesse vaga, provavelmente estariam em [cuidados] intensivos”, reconhece o especialista.

“Tivemos uma procura muito grande de [doentes] Covid em termos hospitalares, inclusive de medicina intensiva, e conseguimos expandir um bom bocado, mas não o suficiente para acomodar todos os doentes que precisávamos na altura. E isso fez com que estivéssemos a trabalhar com taxas de ocupação muito elevadas”, afirma o ex-presidente da Sociedade Portuguesa de Cuidados Intensivos.

Esta incapacidade de ter mais doentes em cuidados intensivos chegou mesmo a ser reconhecida pela ministra da Saúde, pouco depois de se terem atingidos os valores máximos da pandemia. “Nós não conseguimos aumentar mais a nossa capacidade de cuidados intensivos, isso está à vista”, disse Marta Temido, em entrevista à Visão.

Marta Temido reconhece rutura no SNS mas garante que transferência de doentes para o estrangeiro “será sempre a última solução”

A pressão na terceira vaga foi particularmente elevada na região de Lisboa e Vale do Tejo. José Artur Paiva, também membro da comissão que monitoriza a resposta do país em termos de medicina intensiva para a Covid-19, lembra que a taxa de esforço nessa região “era diferente claramente do Norte”.

“Em Lisboa e Vale do Tejo, a acessibilidade [aos cuidados intensivos] estava complicada — não estou a dizer que um doente não entrava, mas estava a demorar a entrar”, afirma o médico que dirige o serviço de medicina intensiva do Centro Hospitalar e Universitário de São João, no Porto.

Face aos constrangimentos de acesso aos cuidados intensivos no período mais crítico da pandemia, criaram-se, por isso, “alternativas válidas, em que eram dados os cuidados que os doentes necessitavam”, mas fora dos cuidados intensivos, esclarece José Artur Paiva. “Quando a oferta é mais escassa criam-se alternativas”.

As linhas vermelhas para desconfinar (ou ter de confinar novamente) segundo os quatro especialistas ouvidos no Parlamento

Por um lado, foram dadas “respostas ao nível de enfermaria, [de cuidado] intermédio”, para doentes que, apesar de terem gravidade, “não precisam de ventilação invasiva, mas de outras formas de reforços respiratórios”. Em todo o caso, “se a oferta fosse larga, podiam estar em [unidades de cuidados] intensivos”, nota José Artur Paiva.

Além disso, foram transferidos doentes para regiões em que os hospitais não tinham tanta pressão, depois de a comissão de acompanhamento da pandemia ter analisado um conjunto de indicadores, nos quais se inclui a tal proporção de doentes críticos em unidades de cuidados intensivos face ao total de camas disponíveis (em cada hospital), bem como a taxa de doentes ventilados face ao total de doentes em cuidados intensivos.

“Daí decorreu a decisão de transferência inter-regional. O indicador é útil para mudar o curso das coisas”, diz o médico do Hospital de S. João. “Fez-se um ajustamento no sentido de a procura ser reduzida nas áreas em que este esforço estava a ser maior”.

Cuidados intensivos são 22,6% de todos os internamentos — não acontecia desde 7 de abril

Como resposta à terceira vaga, o confinamento em duas fases (primeiro o fecho de quase todas as atividades a 16 de janeiro e depois as escolas a serem encerradas a 22 de janeiro), permitiu que a pressão sobre o SNS começasse a aliviar a partir do início de fevereiro. Desde que foi atingido um valor máximo nos internamentos, no primeiro dia do mês, houve uma queda de 68,3% até este sábado. E nos cuidados intensivos, a redução é de 43,1% no mesmo período (ou de 45,8% se a comparação for feita com o dia 5 de fevereiro, em que estas unidades atingiram um valor máximo).

O que é que isso representa para a relação entre ambos? O indicador subiu progressivamente até que as camas ocupadas em cuidados intensivos atingiram os 22,6% de todos os internamentos este sábado, valor que não era observado desde 7 de abril, durante o primeiro confinamento.

Boletim DGS. Internamentos regressam ao início da terceira vaga

“A partir do momento em que começa a haver altas nas enfermarias, e em que há também um melhor quadro nos cuidados intensivos, os internamentos são mais prolongados e conseguimos transferir doentes das enfermarias para os [cuidados] intensivos, porque deviam estar nos intensivos”, explica João Gouveia.

Esta normalização no acesso à medicina intensiva “bate certo com as taxas de ocupação [hospitalares] e com as taxas de ventilação”. E apesar de a medicina intensiva estar ainda a ocupar muitos espaços que não lhe pertencem — blocos operatórios, recobro ou enfermaria —, em conjunto, estes indicadores significam, “neste momento, menos pressão sobre o SNS“.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.