Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Os turistas ingleses estão a tentar sair de Portugal o mais cedo possível para regressarem ao Reino Unido e, este sábado, no Aeroporto de Faro tem estado a sentir-se um fluxo maior de passageiros do que tem sido habitual. Do aeroporto algarvio estão a sair voos, com curtos intervalos entre eles, com destino a várias localidades inglesas, nomeadamente Londres, Manchester, Liverpool, Newcastle, Newquay, Birmingham, Southampton ou Bristol.

De acordo com a reportagem da SIC Notícias, há muitas filas no Aeroporto de Faro e os passageiros estão a pagar mais pelos bilhetes de regresso a casa. Um dos grandes problemas no local tem sido os testes à Covid-19, sendo que há apenas dois postos no aeroporto, e com a chegada de passageiros as filas têm estado a crescer.

O Observador apurou que a easyJet já ajustou a operação – leia-se, aumentou o número de voos de e para Faro – para fazer o repatriamento de ingleses. A easyJet mantém a possibilidade de os passageiros alterarem os seus voos até duas horas antes do embarque, tendo em conta que os cidadãos do Reino Unidos viram as regras alteradas pelo governo britânico quando se encontravam de férias em Portugal ou com viagens marcadas. Ou seja, os passageiros com voos marcados para quarta ou quinta-feira poderão, caso haja lugares disponíveis, antecipar o seu regresso. Com as regras atuais, se voltarem ao Reino Unido depois das 4h00 de terça-feira terão de fazer 10 dias de quarentena.

O Observador contactou a Ryanair, a TAP e a ANA Aeroportos e aguarda resposta sobre como está a ser gerida a operação, se houve ou não marcação de mais voos ou se apenas estão a seguir mais passageiros em cada avião.

O governo britânico anunciou na quinta-feira que Portugal, incluindo os arquipélagos dos Açores e da Madeira, foi retirado da lista verde do Reino Unido. Os países na que estão na chamada “lista amarela” estão sujeitos a restrições mais apertadas, nomeadamente uma quarentena de 10 dias na chegada ao Reino Unido e dois testes PCR, no segundo e oitavo dia, como já acontece com a maioria dos países europeus, como Espanha, França e Grécia. Já a “lista verde” está isenta de quarentena para os viajantes que cheguem a território britânico, enquanto a “lista vermelha” exige quarentena de 10 dias num hotel designado, além de dois testes PCR.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR