Obrigado por ser nosso assinante. Pode ler este e todos os artigos do Observador em qualquer dispositivo.

A Monterey Car Week, em Pebble Beach, serviu para mostrar o que de melhor se faz por aí em matéria de hiperdesportivos, contando com a presença dos mais reputados construtores de automóveis, da Bugatti à Rimac, cujos modelos deixam “água na boca” à maioria dos amantes de quatro rodas. Mas também a Hennessey fez questão de marcar presença no evento para dar conta das últimas novidades em relação ao seu primeiro hiperdesportivo concebido do zero, do motor ao chassi, com o objectivo de entrar de imediato para a liga dos grandes.

Falamos do Venom F5, um coupé de duas portas projectado de raiz para honrar o nome que enverga – a designação F5 remete para a escala de medição de intensidade de tornados Fujita, aludindo à velocidade que o hiperdesportivo deverá atingir, entre 420 e 512 km/h, tal como o vento. Pois bem, só serão construídas 24 unidades e todas já têm dono, sendo que os primeiros a desembolsar 2,1 milhões de dólares (cerca de 1,8 milhões de euros) pelo hiperdesportivo americano podem esperar recebê-lo ainda este ano. A produção, no Texas, já arrancou mas o ritmo de entregas será algo lento. Daí que os últimos a colocarem reserva só deverão receber o seu Venom F5 dentro de dois anos, em 2023 – seis anos depois da revelação do coupé no SEMA, em Las Vegas.

Venom F5. “Tornado” da Hennessey ultrapassa 500 km/h

Com um peso de apenas 1360 kg, cortesia de um chassi leve e totalmente em fibra de carbono, o hiperdesportivo da Hennessey monta um motor 6.6 V8 biturbo, a que a marca chama carinhosamente “Fury” (fúria, em inglês) por passar 1841 cv e 1617 Nm às rodas traseiras através de uma transmissão de sete velocidades com comandos no volante. Isto resulta numa relação peso/potência de 0,76 kg/cv, o que constitui uma referência entre os veículos habilitados a circular na via pública. Mas não muito: é que no Venom F5 tudo foi desenvolvido tendo em vista a performance e isso obrigou a fazer algumas concessões. A falta de airbags, por exemplo, encaixa-se nessa opção, enquadrando o hiperdesportivo norte-americano num conjunto de regras (definidas como Show & Display) que o impedem de percorrer mais de 2500 milhas por ano (o equivalente a 4023 km) nos EUA, o seu principal mercado, com mais de 60% das encomendas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A avaliar pelo anúncio em Pebble Beach, nem essa limitação nem o facto de custar perto de 2 milhões de euros inibiram o interesse dos amantes desta classe de veículos, mais virados para a pista, apesar de matriculáveis. A marca realça que o peso-pluma, a potência de sobra e o coeficiente aerodinâmico estão na origem de cifras quase inacreditáveis. A meta é passar como um foguete pelos 500 km/h, deixando para trás o recorde que está nas mãos da Bugatti, pois o também norte-americano SSC Tuatara “borrou a pintura” ao anunciar um recorde de que nunca fez prova e envolto numa série de polémicas. Era suposto fazer história, mas mais não fez do que parecer uma novela de argumento duvidoso, o que até poderá favorecer o Hennessey Venom F5, depois de todo o ruído gerado à volta do caso.

E tudo o vento capotou. Tuatara ia tentar recorde

Enquanto não se entrega à superação da mítica barreira dos 500 km/h, a Hennessey relembra que o seu primeiro carro vai passar pelos 200 km/h em 4,7 segundos e conseguir fazer os 0-300 km/h num tempo “melhor que os Fórmula 1 actuais”, isto é, abaixo dos 10 segundos. A fasquia dos 400 km/h vem a seguir e, novamente aí, o preparador americano promete o melhor desempenho. Desta feita, na eficácia da travagem, pois é suposto passar dos 400 km/h em arranque parado à imobilização total em menos de 30 segundos.

Não bastassem todos estes números alucinantes, o CEO da marca assegurou que o arranque das entregas do Venom F5 são apenas “o início de uma jornada” talhada para voos mais altos.  John Hennessey nunca escondeu a intenção de criar um Venom F5 GTR, isto é, uma versão com um pacote desportivo a visar a utilização em circuito, com melhorias aerodinâmicas. Isso leva a crer que, agora que o stock está todo vendido, tudo indica que o melhor está por vir. A dúvida é se será essa versão mais extrema a tentar o novo recorde de velocidade, ou se essa missão será confiada ao “tornado” normal….