Jerónimo de Sousa veio, ao fim da tarde desta quinta-feira, juntar-se à campanha de João Ferreira e trouxe o Estado-maior do PCP em peso — na primeira fila do comício da CDU no Bairro Padre Cruz, em Lisboa, sentam-se figuras dos órgãos mais restritos do PCP, como Jorge Cordeiro e Francisco Lopes.

Defendendo que João Ferreira reúne “todas as condições” para “assumir a responsabilidade” da presidência da câmara — os argumentos passam sempre pela “experiência” e as “provas dadas” –, Jerónimo começou por explicar porque é que a CDU, que se serve da sua influência para pressionar o Governo nos dossiês sob sua tutela, é a melhor opção no boletim de voto: “A CDU não se cala, não desiste de agir junto de quem quer que seja até que os problemas sejam resolvidos!”.

“Bem queria o secretário-geral do PS calar os eleitos da CDU quando exigem aquilo de que as populações precisam. Era o que faltava, camaradas!”, exclamou, arrancando um grande aplauso à audiência. Continuou por aí fora: “Bem pode o PS propagandear os milhões da bazuca; enquanto a larga maioria for para o grande capital, terá sempre a resposta das populações”.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.