Um padre da diocese de Viseu está a ser investigado pelo Ministério Público por mensagens de cariz sexual que terá enviado a um menor de idade, avança o Correio da Manhã.

O diário noticia que o pároco em questão tem 46 anos e que este, já depois de ter pedido uma licença sabática de um ano devido a “motivos pessoais e questões de saúde”, foi afastado temporariamente de todos os serviços da diocese pelo bispo de Viseu, D. António Luciano.

A suspensão de todas as funções acontece enquanto prosseguir a investigação. O padre em questão faria ainda parte, segundo o CM, da “direção de uma instituição”. Citado pelo Correio da Manhã, o bispo de Viseu disse que “tudo está em investigação e por isso há que esperar antes de falar”, desejando porém que “o caso seja esclarecido”.

Abusos sexuais. Igreja portuguesa escondeu pelo menos três casos nos últimos 15 anos

Fonte da Polícia Judiciária (PJ) de Coimbra indicou esta quarta-feira ao Expresso que “existem alguns indícios contra o padre” e que os inspetores apresentaram um relatório, em setembro, ao Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Viseu, de maneira a propor a acusação contra o pároco. 

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“O Ministério Público pode agora fazer mais diligências ou pedir que a PJ investigue mais aprofundadamente determinado aspeto do caso”, ressalvou fonte policial ao Expresso.

Na origem da investigação do Ministério Público estará uma denúncia feita pelo pai do menor que terá alegadamente recebido mensagens impróprias do padre. De acordo com o CM, o jovem, descrito como “adolescente”, terá mostrado as mensagens que recebera do pároco ao progenitor e este terá feito uma queixa ao MP. A denúncia terá então dado origem a um inquérito que durará há pouco mais de um mês, ainda segundo o diário. Além de investigar todos os contornos da relação entre o pároco e o menor, o Ministério Público estará ainda a tentar perceber se o padre em questão terá abordado outros menores.

Notícia atualizada às 17h39 com as informações da PJ