Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Uma bebé prematura de nove dias morreu, no Reino Unido, vítima de Covid-19. A mãe, que não estava vacinada, contraiu o vírus enquanto estava grávida e desenvolveu sintomas tão graves que o parto teve de ser induzido.

Segundo o jornal inglês inews, Katie Leeming começou a apresentar sintomas mais graves sete dias após ter testado positivo à Covid-19 e começou a não sentir os movimentos do feto. Decidiu contactar o hospital, cuja equipa médica determinou que o mais seguro seria avançar para um parto prematuro. Ivy-Rose nasceu a 13 de outubro, com apenas 26 semanas, e pesava 990 gramas.

A bebé nasceu logo com várias complicações, sofrendo de uma hemorragia pulmonar e de uma hemorragia no cérebro. Quando tinha cinco dias, testou positivo à Covid-19 e, desde aí, o seu estado de saúde começou a deteriorar-se. “Recebi uma chamada ao oitavo dia a dizer que precisávamos de ir para o hospital e pensei logo que a Ivy-Rose não ia passar dessa noite”, conta Katie Leeming.

Ao nono dia, a bebé acabou por não resistir à doença. “Fiquei com o coração partido e ainda não recuperei”, admitiu a mãe, convencida de que se não tivesse ficado tão doente a bebé Ivy-Rose não teria morrido: “Se eu não tivesse tido Covid e não tivesse tido febre tão alta, acho que ela não teria nascido prematura.”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Contudo, Katie Leeming continua a não querer ser vacinada. Sobre o facto de não se ter imunizado quando estava grávida, a mulher de 22 anos disse que “tomou a decisão depois de falar com muitas mulheres grávidas”. “Senti que não havia estudos suficientes sobre o impacto da vacina durante a gravidez e como é que iria afetar a bebé”, salientou.

Confrontada com a hipótese de que se tivesse sido vacinada o desfecho teria sido diferente, Katie Leeming tem dúvidas: “Não quero pensar dessa forma, pois se eu tivesse tomado a vacina ainda poderia ter contraído Covid-19 e poderia ter ficado na mesma doente”, justificou, argumentando ainda que o namorado já tinha completado o esquema vacinal e também contraiu a doença.

De acordo com a certidão de óbito a que a inews teve acesso, Ivy-Rose morreu de um problema severo respiratório, de Covid-19 e de uma hemorragia intraventricular.