Índice

A música tem sido uma constante na campanha, e desta vez Jerónimo de Sousa foi recebido ao som de bombos à chegada a Faro e ao almoço, com ritmos cabo-verdianos nos Bombeiros Voluntários de São Bartolomeu de Messines. O dia da CDU começou mais tarde do que o costume e ainda mais a sul. Cerca de 250 apoiantes enchiam a sala no primeiro andar do quartel e obrigaram ao reforço do número de mesas mesmo antes do início da refeição, nada que atrapalhe a organização comunista: há sempre espaço mais mais um.

Em dia de greve climática, e atento à concorrência, Jerónimo de Sousa reclamou louros para Os Verdes e para o trabalho que têm desenvolvido ao logo “de mais de quatro décadas”. Mas quer mais “atos concretos”e apresenta aquela que é uma das medidas urgentes da coligação, a criação de um “programa global para o equilíbrio ecológico”. Os incêndios de Monchique e Silves estão ainda bem presentes na memória dos algarvios e o secretário-geral aproveitou para atirar ao PS e aos “muitos e muitos anúncios que faz, mas com muito pouco de concretizado”. Jerónimo diz que o PS sacrificou muito em prol das contas certas e juntou-se à disputa entre o PS e PSD quando esclareceu que na CDU também há um “homem das contas certas”.

E o “Centeno” comunista é Paulo Sá, o deputado que a CDU conseguiu eleger por Faro e que sai este ano das listas para regressar à profissão de professor. E isso é “um exemplo”: “Foi para a Assembleia da República sem nenhum benefício material e no momento em que tinha de optar pela sua carreira vai voltar a ser professor. Qualquer deputado da CDU sabe que não vai ser beneficiado”, disse Jerónimo em jeito de crítica aos “deputados que não sabem onde moram”.

Nas ruas estão hoje milhões de pessoas em todo o mundo, milhares em Portugal, em manifestações pelo clima e Jerónimo saudou-os, especialmente os mais jovens: “Congratulamo-nos pela sua disponibilidade para agir. É justa a preocupação que se vê perante tantos jovens”.

Mas para a CDU, o problema real das alterações climáticas está a ser deixado de lado. O secretário geral diz que é preciso estar alerta para aqueles que “alimentam um suposto conflito entre gerações que visa culpabilizar as pessoas e ilibar o sistema capitalista”

O almoço foi servido em regime volante, o que atrasou um pouco a agenda do secretário-geral que ainda terá de viajar até Olhão para um passeio pela ria e contactar com pescadores e mariscadores. Será a primeira ação de contacto com a população nesta campanha da CDU, que deixou as arruadas para os últimos dias da segunda semana, mais perto do dia das eleições.

Tancos chega à campanha da CDU: “Rui Rio está desesperado porque não tem assunto, encontrou a boia de salvação”

Depois de na quinta-feira à noite Jerónimo de Sousa ter despido a pele de candidato da CDU às legislativas para assumir o papel de secretário-geral do PCP e reagir à acusação de Azeredo Lopes no caso de Tancos, esta tarde o inevitável aconteceu e Jerónimo de Sousa teve mesmo que reagir, durante a campanha, ao assunto do momento. Reagiu à acusação e à “tentativa de aproveitamento de Rui Rio”.

Jerónimo de Sousa diz que “a questão assume uma grande relevância” e que é preciso esclarecer se o ex-ministro “mentiu na comissão de inquérito”. Mas o que assume grande importância também é, para o secretário-geral, “a tentativa de aproveitamento de Rui Rio”.

À falta de assunto, perspetivas e alternativas encontrou aqui a bóia de salvação e por, isso mesmo, vamos continuar a nossa campanha eleitoral em torno daquilo que preocupa e o que os portugueses devem saber”, disse Jerónimo de Sousa.

O secretário-geral recordou a declaração da noite do dia anterior para dizer que o PCP “está de consciência tranquila”, por ter proposto que a comissão tivesse lugar apenas da conclusão da investigação, mas deu luz verde a uma nova comissão: “Se houver consenso para isso temos toda a nossa disponibilidade para haver a reunião da comissão permanente e consequentemente a comissão de inquérito”.

Os problemas na Ria Formosa e as queixas de que depende dos viveiros para viver

A campanha não é só Tancos e no caso da CDU não é quase nada Tancos. Na ação desta tarde, Jerónimo de Sousa embarcou no “Boa Esperança” para ouvir as queixas de João Carlos, que dos 36.500 metros quadrados de viveiros que possui tem 23.500 interditos devido à poluição. O problema arrasta-se há seis anos e o homem de 56 anos, que desde os 20 depende exclusivamente do marisco, continua a pagar mais de 1.000 euros por ano dos viveiros que estão interditos.

Esta não é a primeira vez que a CDU visita a Ria e o Mestre Neto já esteve ao leme noutras alturas. Já viu Jerónimo de Sousa embarcar nas legislativas de 2015. Diz que “vale sempre a pena”, mas os problemas ainda não estão resolvidos.

José Lezinho e Valter Oliveira têm 22 e 31 anos e sempre conheceram o trabalho de mariscador, cresceram a ver os pais na ria. Dizem ao Observador que cada vez há “menos gente nova a pegar nisto” e — apontando para uma espuma amarela à superfície da água — que a “poluição já se vê há muito tempo, embora agora seja pior”.

E porque Jerónimo estava ali mesmo era para falar aos mariscadores, houve tempo ainda para, frente ao cais de embarque na zona ribeirinha de Olhão, alertar para a “situação dramática” que existe na ria. “A Ria nunca ficou comprometida com a atividade dos mariscadores que têm a sua cultura própria aqui”, disse destacando que é necessário “defender a Formosa e quem cá vive e trabalha”.

Ainda a bordo, Paulo Sá, o deputado da CDU eleito por Faro nas últimas legislativas, e que não se recandidata, aproveitou para deixar um recado ao PAN: “Nunca foram as pessoas a levar à degradação ambiental da ria, sempre viveram em harmonia. Não somos como o PAN que quer tirar daqui as pessoas. Temos estas preocupações há muito tempo, mesmo antes do PAN ter sido criado”.

O deputado apontou falhas também à dispersão de organismos públicos que supervisionam a Ria Formosa. “Os organismos públicos que intervêm não têm recursos materiais nem financeiros suficientes, são vários mas dependem todos do mesmo governo”.