Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Portugal optou por não dar prioridade máxima aos idosos com 80 anos ou mais anos na vacinação contra a Covid-19, como estão a fazer países como a Alemanha, a Itália e o Reino Unido, preferindo imunizar pessoas com 50 anos ou mais com doenças específicas, além de utentes e funcionários de lares de idosos e profissionais de saúde e de serviços essenciais.

Em finais de novembro, o primeiro-ministro pôs de parte a possibilidade de não se dar prioridade aos mais idosos sem doenças graves, argumentando que “há critérios técnicos que nunca poderão ser aceites pelos responsáveis políticos“.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.