Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Mente criativa e figura central na cidade de Lisboa, a história de Eduarda Abbondanza confunde-se com a da plataforma que construiu há precisamente 27 anos. Com o passar do tempo, a primeira foi-se recolhendo, deixando-a entregue à árdua tarefa de gerir vontades, interesses e recursos em prol da moda nacional. Presidente da Associação ModaLisboa, pouco fomos sabendo de Eduarda, fora das quatro paredes do Pátio da Galé. Percebemos agora que nunca se remeteu totalmente a um cargo institucional, que, depois de uma década de 90 prolífera em avanços e experimentação, continuou a desenhar — conceitos, espaços, tapetes, bancos, estratégias de internacionalização, marcas e moda.

Em 1991, ano em que acontece a primeira edição da ModaLisboa, não havia como não ser pioneiro na área da moda, em Portugal. Em meados dos anos 80, começou a trabalhar com Mário Matos Ribeiro, hoje, tal como Abbondanza, professor na Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa. Juntos representaram Portugal no estrangeiro, desenharam figurinos para cinema, teatro e espetáculos de dança, repensaram as fardas das forças militares portuguesas, criaram a primeira licenciatura em Design de Moda do país e conceberam as togas da Universidade Aberta de Lisboa. Em 1989 formaram, oficialmente, uma dupla. Além de impulsionadores da ModaLisboa, Abbondanza/Matos Ribeiro foram cabeças de cartaz do próprio evento, com loja própria no Bairro Alto.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.