Índice

    Índice

Independentemente do lugar do mundo que se visite, é difícil chegar a uma cidade e não encontrar um ou mais monumentos militares. Podem estar relacionados com conflitos regionais (como o monumento aos veteranos do Ultramar, em Lisboa, ou as centenas de monumentos sobre a Guerra Civil americana, por todo o território dos EUA) ou mundiais (como os múltiplos monumentos e memoriais relacionados com a Segunda Guerra Mundial que se encontram por toda a Europa). Podem homenagear as vítimas, como o memorial do Holocausto em Berlim; os soldados mortos em combate, como os vários monumentos ao soldado desconhecido; ou grandes líderes militares que se transformaram em heróis nacionais ou locais, como a estátua de D. Afonso Henriques empunhando a espada, em Guimarães, ou a menos célebre estátua do General Silveira, em Chaves, homenageando aquele oficial português que se destacou nas guerras napoleónicas.

Num artigo publicado na semana passada, o enviado do jornal espanhol El País à guerra na Ucrânia, Cristian Segura, resumia uma evidência numa única frase: “As guerras são um cenário prolífico em heróis.” É nos momentos de conflito e tensão, sobretudo durante os combates pela independência e pela liberdade, que nascem muitos dos grandes heróis de uma nação: figuras com maior peso mítico, como Viriato, ou mais concretas, como os capitães de Abril. Para a Ucrânia, cuja independência da União Soviética remonta à década de 1990 e que tem passado as últimas décadas em conflito mais ou menos aberto com a Rússia, esse momento fundador vive-se precisamente agora. E é, por isso, agora que a Ucrânia está a ver nascer alguns dos heróis que vai guardar nos seus manuais de história.

Um deles é óbvio: Volodymyr Zelensky, o comediante que virou Presidente e que, depois da invasão russa, se manteve firme em Kiev e personificou o espírito de resistência do povo ucraniano. Louvado por todo o mundo como um líder carismático improvável que foi capaz de manter o país unido perante a agressão estrangeira, não restam dúvidas de que Zelensky terá o seu nome inscrito na história da Ucrânia.

Zelensky, o comediante que se tornou Presidente da Ucrânia e que agora luta contra Putin

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.