Hells Angels. PJ sabia do ataque ao grupo de Mário Machado, mas montou operação no sítio errado /premium

20 Julho 2018106

Polícia teve informações de que Hells Angels iam atacar o grupo rival, liderado por Mário Machado, e montou operação. Mas a festa mudou de sítio. Ainda assim foi posta uma câmara no local do crime.

A Polícia Judiciária sabia que os Hells Angels iam atacar um grupo de motards rival, liderado por Mário Machado — e até tomou medidas de prevenção, no dia anterior às agressões. Instalou uma câmara à porta de um restaurante no Prior Velho e uma outra num bar em Santa Iria de Azóia, no concelho de Loures. Mas só mandou polícias para a porta do bar onde era previsto haver um concerto. Na rua do restaurante onde realmente ocorreram confrontos não ficou ninguém, de prevenção. Seis homens ligados aos Bandidos Motocycle Club acabaram por ficar gravemente feridos no ataque.

A informação consta no inquérito que levou à detenção de 59 motards afiliados nos Hells Angels e resulta de um auto de diligência feito a 24 de março por inspetores da PJ. Este foi o dia em que cerca de meia centena de motards bloqueou uma rua no Prior Velho com carrinhas e carros e em que alguns deles entraram no restaurante “Mesa do Prior”e atacaram os seus rivais — membros do recém criado grupo Red & Gold Portugal, liderado pelo neonazi Mário Machado e apadrinhado por elementos dos Bandidos vindos propositadamente da Alemanha.

Nesse auto, a que o Observador teve acesso, os inspetores da Unidade Nacional Contra Terrorismo referem que, no dia anterior, tiveram conhecimento através do Facebook de que a organização internacional Bandidos MC estaria em Portugal. Alguns elementos daquela organização iriam a uma festa organizada pelo grupo liderado por Mário Machado. O evento marcava a abertura de uma filial (o denominado chapter) dos Bandidos em Portugal.

Na sequência dessa informação, os investigadores apuraram que um amigo de Mário Machado, dono do restaurante “Mesa do Prior”, teria arrendado o Armazém Discoteca-Bar na zona de Santa Iria de Azóia, também no concelho de Loures, para a festa a realizar entre as 20h00 e as 4h00. Além desta informação, a PJ tinha percebido que alguns elementos dos HellsAngels estavam a preparar alguma coisa. Este grupo de motards estava a ser investigado por tráfico de armas e de droga e tinha alguns dos seus homens sob escuta.

Das conversas escutadas a poucos dias da festa, os inspetores perceberam que os responsáveis de vários clubes em Portugal estavam a reunir de urgência e a recrutar supporters, que normalmente só são chamados para intervenções musculadas. A maior parte dos supporters convocados trabalham como seguranças em bares e discotecas.

No documento lê-se mesmo que, face a estes indícios,  poderia resultar “um eventual confronto”, uma vez que os Bandidos e os Hells Angels são grupos de motards historicamente rivais.  Uma rivalidade que nos anos 90 se traduziu em vários episódios violentos, até em alguns homicídios, e que acabou a ser apelidada por “Nordic Biker War”, segundo informação policial. A Judiciária decidiu então montar, logo na madrugada do dia 24, um dispositivo de vigilância junto ao local onde estava prevista a realização da festa, em Santa Iria: com reforço policial na zona a intervir rapidamente caso houvesse algum confronto entre os dois grupos.

Polícia suspeitou de acordo entre os dois grupos rivais

A PJ focou as suas atenções no bar/discoteca em Santa Iria de Azóia, mas ainda pensou que no restaurante do amigo de Mário Machado pudesse haver possíveis encontros entre as duas “organizações criminosas” (leia-se, Bandidos e Hells Angels). Segundo a polícia, havia a possibilidade de membros dos dois lados se juntarem para possíveis “acordos”. Por isso, pelo sim pelo não, decidiram montar uma câmara de vigilância fixa na rua onde está localizado o restaurante. Essas imagens acabariam por revelar-se fundamentais, embora não tivessem sido suficientes para prevenir o crime.

É que o grupo de Mário Machado optou por não arrendar o Armazém Discoteca-Bar, ao que o Observador apurou por ser demasiado caro, e acabou por decidir fazer o convívio (primeiro almoço e depois a festa) no restaurante “Mesa do Prior”, a começar à hora de almoço. E foi ali que essa câmara captou tudo o que aconteceu: um grupo de cerca de quarenta homens que chegou, pelas 12h46, em carros e carrinhas e estacionou em segunda fila, bloqueando a a rua. Uma parte dos elementos ficou cá fora, formando um perímetro de segurança no qual ninguém podia entrar. Outros entraram no restaurante com facas, martelos e bastões para atacar os seus rivais. Mário Machado já lá estava dentro desde o meio-dia. Conseguiu refugiar-se com oito outros amigos no armazém do restaurante. Outros enfiaram-se na casa de banho. Mesmo assim houve seis vítimas, entre eles um alemão, que acabaram gravemente feridas e internadas no hospital.

As imagens analisadas pela PJ não mostram as matrículas dos carros (estas foram captadas pelo sistema de vigilância de várias estações de serviço, como Aljustrel), mas mostram homens com roupas e símbolos dos vários chapters dos Hells Angels em Portugal. O que se passou dentro do restaurante foi depois captado pelo sistema de vigilância daquele espaço comercial, onde se visualizam outros clientes que nada tinham a ver com o caso. À saída, os Hells Angels traziam vários objetos do grupo rival. O Ministério Público acredita que lhes roubaram os símbolos da nova organização como forma de humilhação. A PJ crê que os homens que montaram um perímetro de segurança à porta estavam armados, dada a posição em que se encontravam e o volume das bolsas que traziam à cintura. Depois do crime, através das imagens, a PJ conseguiu identificar dez dos suspeitos — que já estavam referenciados pelas autoridades.

PJ recolheu as imagens do sistema de videovigilância de uma das estações de serviço onde elementos dos Hells Angels se terão reunido antes do ataque ao restaurante. A imagem foi publicada no Facebook pelo advogado de um dos arguidos

O vídeo gravado pela Judiciária denuncia também outro pormenor. É que, quando as agressões estavam a acontecer no interior do restaurante, alguns membros do grupo Red&Gold, que estavam a chegar para o convívio assistiram ao confronto e não fizeram nada. Como não tinham símbolos que os identificassem como sendo do grupo de Mário Machado, não mostraram qualquer intenção de confrontarem os Hells Angels ou de ajudarem os que estavam a ser agredidos no interior da “Mesa do Prior”, lê-se no despacho de indiciação.

Imagens do vídeo foram fundamentais para juíza decidir

As imagens recolhidas pela câmara instalada pela PJ na rua do restaurante e pelas próprias câmaras do sistema de videovigilância do restaurante foram fundamentais para a juíza de instrução criminal, Maria Antónia Andrade, decidir quais as medidas de coação a aplicar aos 58 detidos presentes a tribunal nos últimos dias. Os suspeitos que aparecem nestas imagens ficaram todos em prisão preventiva: 39 (três dos quais com possibilidade de irem para prisão domiciliária). Os restantes 19, libertados com restrições, apenas foram vistos em imagens recolhidas pelos sistemas de videovigilância de estações de serviço e de um parque de estacionamento onde é frequente concentrarem-se.

Mas se para a polícia e para o Ministério Público, num inquérito titulado pelos procuradores Vítor Magalhães e Cláudia Porto, este vídeo foi fundamental como prova, na perspetiva da defesa levanta dúvidas. No despacho final sobre as medidas de coação, assinado pela juíza de instrução esta quarta-feira, e a que o Observador teve acesso, percebe-se que um dos advogados invocou a sua nulidade. Isto porque não existe uma cópia do vídeo no inquérito — apenas constam fotogramas retirados do vídeo.

Uma fonte da defesa garantiu ao Observador ter visto no processo um despacho a determinar o desentranhamento do vídeo, ou seja, a retirada do vídeo do inquérito. Por isso, não existe uma cópia do CD. O que existem são imagens retiradas da gravação. Houve, então, outros advogados que, não obstante a decisão, pediram que o vídeo voltasse a ser integrado no processo. “Visualizar estas imagens fora do contexto do que aconteceu é diferente de visualizar os vídeos. É que, em vez de estarmos perante um crime de homicídio na forma tentada, podemos estar antes perante um crime de rixa, caso os confrontos sejam de parte a parte”, argumentou uma fonte da defesa. O Observador tentou também obter uma reação da Direção Nacional da Polícia Judiciária, mas, até ao momento, não foi possível.

Imagem da rua do “Mesa do Prior”, recolhida no momento das agressões. Também esta fotografia foi publicada no Facebook pelo advogado de um dos arguidos

Os arguidos estão indiciados de associação criminosa, homicídio qualificado na forma tentada, roubo, ofensas à integridade física graves e qualificadas, detenção de armas proibidas e tráfico de droga. O Ministério Público acredita que, pela forma como prepararam o ataque, a intenção era mesmo matar. E foi o que escreveram no despacho de indiciação entregue em tribunal.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ssimoes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)