Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

[Esta reportagem foi publicada a 1 de novembro de 2017 e recuperada a 15 de novembro de 2018, depois de ter sido noticiado que a chefe de gabinete do PAN na Assembleia da República, Cristina Rodrigues, é dada como suspeita pela PJ de estar entre os encapuçados daquele grupo]

Desde o contacto inicial ao primeiro encontro passaram cerca de três semanas. A IRA, acrónimo para Intervenção e Resgate Animal (não confundir com o Irish Republican Army) existe há um ano, tem 54.870 seguidores no Facebook, já fez dezenas de resgates de animais na zona da Grande Lisboa, e até uma batalha contra o gigante espanhol El Corte Inglès venceu, depois de se ter mobilizado contra uma campanha de compra de animais a prestações. Ainda assim, os seus membros continuam a fazer questão de se manterem no anonimato — e, até agora, de recusarem todos os pedidos de entrevista que lhes foram feitos.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.