Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O quarto estado de emergência vai trazer medidas adicionais às que já vigoram nos concelhos de elevado risco que, neste momento, são 121 numa lista que será revista na próxima semana e que pode aumentar. É pelo menos este o receio que o Governo tem neste momento em que avisa já que alguns dos concelhos terão mesmo “medidas diferenciadas”. Mas isso fica para quinta-feira, porque agora, já a partir de segunda, vai ter novidades na sua vida, com o recolher obrigatório a vir para ficar até 23 de novembro.

Por agora será assim, sem ninguém poder dizer que ao fim deste período de quinze dias esta medida não será renovada. António Costa assume a “dureza” e o desastre para o comércio que tudo isto pode significar, com pessoas fora de circulação nos dois próximos fim de semana durante o período da tarde, mas diz que são “as medidas necessárias”. Aqui damos respostas a algumas das dúvidas que pode ter depois de o primeiro-ministro ter falado este sábado já fora de horas e a que a publicação do decreto que regulamenta este novo estado de emergência só este domingo à noite veio clarificar. Mas lembre que tudo o que aqui está é acrescentado às regras que estão em vigor e que pode recordar aqui.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.