Índice

    Índice

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Em termos gerais, é isto que vai acontecer: todo o território vai passar a funcionar a partir desta terça-feira com as regras que, até agora, estavam em vigor apenas na Área Metropolitana de Lisboa — a única do país que continuava em estado de contingência, quando o resto do território estava já apenas em alerta. Por decisão do Conselho de Ministros, já a partir de esta 3ª, seja fora ou dentro de Lisboa, o estado passará a ser apenas um: de contingência. O que não quer dizer que seja tudo igual em todo o lado.

Os estabelecimentos comerciais, por exemplo, não vão todos fechar à mesma hora: vão passar a encerrar entre as 20h00 e as 23h00. A hora vai ser definida pelos presidentes de câmara, que decidirão consoante a evolução epidemiológica do seu município. Isto significa que um supermercado de Coimbra pode fechar às 20h00, mas outro mesmo ali ao lado, na Mealhada, pode fechar às 23h00.

Depois, nas Áreas Metropolitanas de Lisboa e Porto — onde a pandemia se concentra mais — os trabalhadores não podem chegar ao trabalho todos ao mesmo tempo, nem almoçar à mesma hora. Afinal, o que vai mudar a partir de esta terça-feira, 15 de setembro?

Alerta, contingência e calamidade. Afinal, em que estados está o país?

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.