Momentos-chave
Histórico de atualizações
  • Hamas não vai libertar mais reféns até "cessar-fogo definitivo" e libertação de todos os prisioneiros palestinianos

    Um dos líderes do Hamas avisou Israel que não serão libertados mais reféns enquanto continuarem os ataques na Faixa de Gaza. “Não haverá libertação de reféns até a agressão parar e se alcançar um cessar-fogo definitivo”, sublinhou Saleh al-Arouri em declarações à Al Jazeera.

    Saleh al-Arouri desmentiu as declarações de Israel de que ainda estão a ser mantidas em Gaza mulheres e crianças, garantindo que já só estão em cativeiro soldados e homens civis que serviram nas forças israelitas. “Na nossa perspetiva, os adultos que temos serviram no exército e alguns ainda estão em reserva”, afirmou.

    Al-Arouri disse ainda que a entrega de mais reféns a Israel está também dependente da libertação de todos os prisioneiros palestinianos. “A resistência está preparada para todos os cenários militares israelitas”, acrescentou.

  • Vamos encerrar por aqui este artigo liveblog, que seguiu a atualidade relacionada com o conflito no Médio Oriente ao longo do dia de ontem, sábado.

    Bombardeamentos no sul de Gaza fazem mais de 30 mortos. “Nenhum lugar é seguro em Gaza”

    Continue, por favor, a acompanhar-nos nesta nova ligação. Muito obrigado!

  • Israel diz ter matado comandante de brigada do Hamas

    As Forças de Defesa de Israel (IDF, na sigla em inglês) disseram ter matado este sábado o comandante da brigada Shajaiyeh do Hamas, Wisam Farhat, durante um ataque aéreo.

  • Netanyahu diz que não deixará Autoridade Palestiniana governar Gaza após guerra

    O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, assegurou hoje que não permitirá que a Autoridade Palestiniana, que governa partes reduzidas da Cisjordânia ocupada, controle a Faixa de Gaza quando as tropas de Israel eliminarem o grupo islamita Hamas.

    “Não cometerei o erro de permitir que a Autoridade Palestiniana governe em Gaza, seria o mesmo” que o Hamas, declarou Netanyahu numa conferência de imprensa transmitida pela televisão, em que defendeu “uma nova visão, uma mudança” no enclave palestiniano, que inclua “segurança e controlo israelita”.

    Os Estados Unidos, o principal aliado de Israel, defenderam a unificação da Faixa de Gaza e da Cisjordânia sob o domínio da Autoridade Palestiniana, uma vez terminada a guerra, mas Netanyahu afirmou que a Autoridade Palestiniana e o Movimento de Resistência Islâmica (Hamas) palestiniano têm em comum “a ideologia que nega a existência de Israel”.

  • Hamas lançou rockets contra Telaviv

    O braço militar do Hamas anunciou num comunicado divulgado esta noite que foram lançados rockets contra Telaviv este sábado. O grupo disse que se tratou de uma resposta ao que descreve como o “massacre sionista de civis”.

    Izzat al-Rishq, do Hamas, adiantou apenas, segundo a CNN, que os rockets foram disparados de uma localização no norte da Faixa de Gaza.

  • Reino Unido anuncia "voos de segurança" no espaço aéreo de Israel e Gaza

    O governo britânico revelou que vai conduzir “voos de segurança” sob a zona do mediterrâneo oriental, incluindo no espaço aéreo de Israel e Gaza “em apoio à atividade de resgate dos reféns”.

    “As aeronaves de vigilância estarão desarmadas, não terão função de combate e terão a tarefa exclusiva de localizar reféns”, indicou o governo, citado pelo jornal The Guardian.

    “Apenas as informações relativas ao resgate de reféns serão providenciadas às autoridades competentes responsáveis ​​pelo resgate de reféns”, garantiu.

  • EUA vão continuar esforços para libertar reféns em Gaza

    Os Estados Unidos vão fazer todos os esforços para assegurar a libertação dos reféns, incluindo cidadãos norte-americanos, mantidos pelo Hamas na Faixa de Gaza, garantiu hoje um membro da administração de Joe Biden.

    A Casa Branca diz que continuam desaparecidos sete homens norte-americanos e uma mulher desde os ataques do Hamas em Israel no dia 7 de outubro. Por agora foram libertados quatro reféns dos EUA: Abigail Edan, de quatro anos; Liat Beinin de 29; Judith Tai Raanan e a filha de 17 anos, Natalie Raanan.

  • Netanyahu: guerra vai continuar até Israel atingir objetivos

    O primeiro-ministro israelita afirmou que os esforços militares e diplomáticos vão continuar até que sejam alcançados todos os objetivos: garantir a libertação de todos os reféns e eliminar totalmente o Hamas.

    “A operação terrestre é necessária para atingir estes objetivos”, sublinhou Benjamin Netanyahu durante uma conferência de imprensa, citado pela Al Jazeera.

    Netanyahu ainda que esta é uma guerra a longo prazo, garantindo que Israel saíra vitorioso. “Os nossos soldados prepararam-se durante as tréguas para uma vitória total contra o Hamas”, acrescentou.

  • Israel retomou combates com "força total" depois de Hamas recusar libertar 15 mulheres e duas crianças

    O ministro de Defesa israelita acusou o Hamas de ter bloqueado a libertação de 15 mulheres e duas crianças mantidas na Faixa de Gaza. Perante a recusa, Israel retomou os combates “força total”.

    “Estamos a continuar exatamente de onde parámos”, afirmou Yoav Gallant durante uma conferência de imprensa, citado pelo Times of Israel. Contraria assim as declarações do Hamas, que alega que na Faixa de Gaza já só estão em cativeiro soldados e homens civis que serviram nas forças israelitas.

    “O Hamas prometeu libertar as mulheres e crianças, 17 foram deixadas para trás. Queremos todas as 17: duas crianças da família Bibas e 15 mulheres”, sublinhou.

    Gallant descreveu os resultados das operações das Forças de Defesa Israelitas em Gaza como “impressionantes”. “Centenas de terroristas foram eliminados, dezenas de centros de comando, centenas de terabytes de informação estão nas nossas mãos e centenas de terroristas foram capturados e estão a ser interrogados em Israel”, garantiu.

  • Schwarzenegger encontrou-se com famílias de reféns israelitas

    Arnold Schwarzenegger reuniu-se na sexta-feira com familiares de três reféns raptados pelo Hamas nos ataques de 7 de outubro e mantidos na Faixa de Gaza.

    Durante o encontro, na cidade de Santa Mónica, na Califórnia, Schwarzenegger declarou ser um “grande amigo do povo judeu e de Israel” e querer chamar a atenção para a necessidade de libertar os reféns que continuam em cativeiro.

    “Quando se é uma celebridade tem-se um certo poder de comunicar para as pessoas porque há sempre muitas câmaras a aparecer”, afirmou durante o encontro, segundo noticiou a agência Reuters.

  • Entraram em Gaza 100 camiões com ajuda humanitária

    A organização Crescente Vermelho revelou que durante o dia entraram na Faixa de Gaza 100 camiões através da passagem de Rafah, transportando comida, água e equipamentos médicos.

    São os primeiros a ser autorizados a entrar em Gaza desde o fim da trégua entre Israel e o Hamas.

  • Negociadores estão a trabalhar para ultrapassar impasse

    Israel anunciou hoje que as negociações com o Hamas chegaram a “beco sem saída”, tendo mandado a equipa de negociadores para casa. No entanto, uma fonte familiar com as conversações revelou à Al Jazeera que os negociadores estão a tentar ultrapassar o impasse e que está em cima da mesa a hipótese de reavivar os parâmetros que permitiram a trégua dos últimos dias.

    A mesma fonte indicou que haverá discussões sobre a adição de civis masculinos à lista de pessoas a libertar e também sobre incluir homens e mulheres soldados.

    O Hamas terá mostrado disponibilidade para aceitar um acordo “todos por todos” com a libertação de prisioneiros palestinianos, mas que para já ainda não avançou.

  • Um morto e mais 12 feridos na Cisjordânia

    Pelo menos uma pessoa morreu e mais 12 ficaram feridas durante uma incursão israelita na Cisjordânia. O diretor dos serviços de emergência da organização Crescente Vermelho indicou que os feridos foram transportados para diferentes hospitais na região.

    Segundo Ahmed Jibreel, um homem palestiniano morreu porque as ambulâncias foram proibidas de o levar para um hospital próximo num posto de controlo militar israelita.

    A Al Jazeera dá conta de que já havia registo de sete feridos que tinham sido baleados e que 31 pessoas estavam a ser tratadas devido à inalação de gás gás lacrimogéneo.

  • Kamala Harris diz que Israel deve proteger civis palestinianos

    A vice-presidente dos Estados Unidos, Kamala Harris, disse hoje que Israel tem o direito de se defender, mas sublinhou que as leis internacionais devem ser respeitadas e devem ser tomadas as medidas necessárias para proteger os civis palestinianos.

    “Francamente, a escala de civis que estão a sofrer, as imagens e vídeos que chegam de Gaza são devastadores”, disse Harris aos jornalistas durante a COP 28, que está a decorrer até dia 12 de dezembro no Dubai. A vice-presidente norte-americana acrescentou que “demasiados palestinianos inocentes foram mortos” no decorrer do conflito.

    “Todos nós desejamos que este conflito acabe assim que possível e que seja possível garantir a segurança de Israel e do povo palestiniano. Devemos acelerar os esforços para construir uma paz douradora”, defendeu.

  • Manifestantes exigem demissão de Netanyahu

    Os israelitas estão novamente em protesto este sábado nas ruas de Telaviv e da Cesareia. A Al Jazeera notícia que os manifestantes voltaram a exigir a demissão do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu.

  • Negociações entre Israel e Hamas falharam devido a impasse sobre libertação de grupo de mulheres reféns

    As negociações entre Israel e o Hamas falharam devido à insistência de Israel para que fosse libertado um grupo de reféns mulheres que o grupo palestiniano recusou entregar, revelou à CNN uma fonte familiar com as conversações.

    Num impasse sobre a libertação do grupo de mulheres, o Hamas começou a empurrar no sentido de negociações para a libertação de homens na expectativa de assegurar termos diferentes, indicou a mesma fonte. No entanto, Israel rejeitou a ideia, insistindo primeiro na libertação de todas as mulheres.

    Este sábado Israel anunciou que as negociações no Qatar chegaram a “beco sem saída”, tendo mandado a equipa de negociadores para casa.

  • Conferência de imprensa de Netanyahu marcada para as 18h15

    O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, vai dar uma conferência de imprensa esta tarde. Segundo noticiou o jornal Times of Israel, é esperado que responda a perguntas dos jornalistas, algo que não é muito comum.

    A conferência de imprensa está marcada para as 20h15 locais (18h15 em Portugal)

  • Grupo palestiniano recusa encontro com procurador-geral do TPI

    Um grupo de direitos humanos palestiniano recusou encontrar-se este sábado com o procurador-geral do Tribunal Penal Internacional (TPI), acusando-o de favorecer Israel.

    “Como organização de direitos humanos palestiniana decidimos não nos encontrar com ele [Karim Khan]”, afirmou Ammar Al-Dwaik, diretor-geral da Comissão Independente de Direitos Humanos (ICHR, na sigla em inglês).

    Karim Khan esteve de visita a Israel e à Cisjordânia depois de um pedido de um grupo de representantes das famílias das vítimas dos ataques do Hamas a 7 de outubro. Também estava previsto encontrar-se com o grupo palestiniano.

    “Penso que o modo como se lidou com a visita mostra que o Sr. Khan não está a fazer o seu trabalho de forma profissional e independente”, sublinhou ainda Ammar Al-Dwaik, citado pelo jornal The Guardian.

  • Comité para a Proteção de Jornalistas de Israel calcula 61 profissionais mortos

    Comité de Proteção de Jornalistas estima que o dia do ataque inicial — 7 de outubro — tenha sido o mais mortal para os profissionais de comunicação social, com seis mortes.

    Comité para a Proteção de Jornalistas de Israel calcula 61 profissionais mortos

  • Israel vai expandir operações para mais zonas de Gaza, depois do cessar-fogo temporário

    Israel vai expandir as operações militares para mais zonas, depois do cessar-fogo temporário, atacando partes da Faixa de Gaza que não têm sido alvos nas primeiras semanas da operação. Quem o diz é o ministro da Defesa, Yoav Gallant, que salienta que as Forças de Defesa de Israel (IDF) vão intensificar as iniciativas militares nos próximos dias.

    “Nos últimos dois dias, operámos em áreas onde não vínhamos operando no último mês, e isto vai intensificar-se”, afirmou Gallant, acrescentando que “isto será feito mediante uma adaptação às condições especiais das zonas onde estamos a combater, que são diferentes das anteriores”.

    epa10887494 Israeli Minister of Defense Yoav Gallant attends a news conference after signing an agreement together with German Defense Minister Boris Pistorius on the purchase of the Israeli Arrow 3 missile defense system, in Berlin, Germany, 28 September 2023. The Arrow 3 system is intended to offer Germany and its neighbors better protection against possible missile attacks. The guided missiles are designed to destroy long-range enemy missiles outside the Earth's atmosphere by a direct hit. The cost, according to Israeli figures, is nearly four billion euros. It is the largest arms deal in Israeli history.  EPA/HANNIBAL HANSCHKE

    Israel irá alvejar estas zonas de forma “precisa e cirúrgica”, garantiu o ministro da Defesa de Israel durante uma visita a uma posto militar perto da fronteira com a Faixa de Gaza.

1 de 2