Momentos-chave
Histórico de atualizações
  • Bom dia,

    Este liveblog vai ser agora encerrado, mas pode continuar connosco a seguir as notícias mais importantes da pandemia, minuto a minuto, aqui.

    EUA registam mais de 4 mil mortos

  • Covid-19. AstraZeneca/Oxford anuncia entregas da sua vacina abaixo do previsto

    AstraZeneca/Oxford vai entregar menos vacinas do que o previsto devido a uma “baixa de rendimento” num local de produção da cadeia de aprovisionamento europeia, que a farmacêutica não identifica.

    Covid-19. AstraZeneca/Oxford anuncia entregas da sua vacina abaixo do previsto

  • Covid-19. Apoio aos pais é calculado com base no salário de dezembro

    O apoio aos pais de crianças menores de 12 anos que tiverem de ficar em casa devido ao fecho das escolas será calculado tendo em conta a remuneração de dezembro, segundo o decreto-lei publicado.

    Covid-19. Apoio aos pais é calculado com base no salário de dezembro

  • INEM rejeita críticas do sindicato sobre falta de coordenação

    O Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) rejeitou hoje as críticas que o Sindicato dos Técnicos de Emergência Pré-Hospitalar (STEPH) lhe fez sobre o facto de o INEM enviar os doentes para os hospitais já com filas.

    Em comunicado, o INEM defende-se, argumentando que “a informação sobre os tempos de atendimento dos Serviços de Urgência, taxa de ocupação dos hospitais e as vagas existentes são monitorizadas em permanência”e “resultam de uma articulação muito próxima entre o INEM, as ARS e os hospitais”.

    O sindicato também não entende por que motivo é que os doentes não podem ser transferidos para outros hospitais — mesmo que sejam mais longe.

    O INEM argumenta, por sua vez, que o mecanismo que permite a transferência de doentes é “transitório”, e, para além disso, “num momento como o que atualmente se atravessa de pressão generalizada sobre todos os serviços de urgência, o desvio de ambulâncias para outros hospitais não é possível ou apenas é exequível em situações muito concretas e pontuais”.

    Sobre a proposta do sindicato da criação de “equipas de reforço”, o INEM desconhece de que forma se concretizaria a sua criação.

    “O INEM não pode deixar de condenar a postura do STEPH que, num momento como o atual, procura tirar dividendos de uma das situações mais dramáticas que o nosso país alguma vez enfrentou, adotando uma postura que apenas contribui para semear a discórdia e a desconfiança sobre a atuação do INEM e dos seus parceiros do SIEM junto da população”, realça o INEM em comunicado.

  • Ministra da Agricultura testa positivo

    A ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, está infetada com o novo coronavírus, informou o ministério que tutela, em comunicado. A ministra está sem sintomas e vai continuar a trabalhar à distância.

    “No âmbito da preparação de uma viagem a Bruxelas, para presidir ao Conselho de Agricultura e Pescas, a Ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, testou positivo à Covid-19. Está em confinamento domiciliário, não tendo até ao momento apresentado quaisquer sintomas e, por isso, manterá a sua agenda, trabalhando à distância”, refere o ministério.

  • Caso de nova variante é de uma pessoa sul-africana residente em Lisboa

    O primeiro caso de Covid-19 associado à variante genética da África do Sul detetado hoje em Portugal é de uma pessoa sul-africana, residente em Lisboa, anunciaram as autoridades de saúde

    O caso reporta-se a uma pessoa natural da África do Sul, residente em Lisboa, que foi diagnosticada a 7 de janeiro e atempadamente isolada, pelas Autoridades de Saúde de nível regional e local, no âmbito das suas competências de vigilância epidemiológica”, revela um comunicado conjunto do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA) e da Direção-Geral da Saúde (DGS).

    O INSA, através do Núcleo de Bioinformática do seu Departamento de Doenças Infecciosas, identificou hoje o primeiro caso de Covid-19 associado à variante da África do Sul, no âmbito da vigilância de base genética que o INSA desenvolve para monitorizar a circulação de variantes genéticas do SARS-CoV-2 de importância epidemiológica e clínica.

    O INSA refere que “esta nova variante genética do SARS-CoV-2 tem sido assinalada pelas autoridades de saúde mundiais como merecedora de especial vigilância dado o seu elevado potencial de transmissão”.

  • Brasil ultrapassa 215 mil mortes após somar 1.096 óbitos em 24 horas

    O Brasil ultrapassou hoje as 215 mil mortes devido à Covid-19 (215.243), após contabilizar 1.096 óbitos nas últimas 24 horas, informou o Ministério da Saúde no seu último boletim epidemiológico.

    Hoje é o quarto dia consecutivo em que o país sul-americano soma mais de mil vítimas mortais diárias, no momento em que o país atravessa uma segunda vaga da pandemia.

    Em relação às infeções, o país registou 56.552 novos casos entre quinta-feira e hoje, chegando aos 8,7 milhões de diagnósticos positivos (8.753.920) desde o início da pandemia.

  • França ultrapassa 3 milhões de casos

    França registou 23.292 novos casos de Covid-19 nas últimas 24 horas, elevando o total de casos para 3.011.257, desde o início da pandemia, segundo as autoridades francesas.

    O número de novas hospitalizações no país devido ao vírus tem vindo a subir, com 1.857 admissões nas últimas 24 horas e 25.908 no total. Destas hospitalizações, 2.912 pacientes estão nos cuidados intensivos.

    Desde quinta-feira houve ainda 319 mortes hospitalares associadas à covid-19 nas últimas 24 horas e 330 óbitos nos lares nos últimos três dias. No total, já foram registadas 72.647 mortes desde o início da pandemia.

  • Liga acusa processo de vacinação de ser anárquico e pretender dividir bombeiros

    A Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP) exigiu hoje “transparência e rigor” ao Governo sobre a vacinação contra a Covid-19 daquele setor, acusando o processo de ser anárquico e pretender “dividir os próprios bombeiros entre filhos e enteados”.

    A Liga dos Bombeiros Portugueses exige transparência e rigor no processo de vacinação de todos os bombeiros contra a Covid-19 e lamenta a anarquia que paira no processo e que faz querer pretender dividir os próprios bombeiros entre filhos e enteados”, destacou a Liga, em comunicado assinado pelo presidente Jaime Marta Soares.

    A LBP revelou ainda ter tomado conhecimento que “restos de um lote de vacinas destinado a idosos vai ser utilizado na vacinação de bombeiros dos municípios de Palmela e de Setúbal”.

    “[A Liga] não pode aceitar que haja a intenção de criar exceções, nomeadamente com restos, fazendo crer que os bombeiros são portugueses de segunda”, atirou.

  • Covid-19. Turismo do Norte aponta Páscoa e verão de 2022 para "regresso à normalidade"

    Presidente da Turismo Porto e Norte de Portugal estima alguma retoma em junho deste ano, mas a “normalidade” só deverá chegar em 2022. E regressar aos números de 2019 só em 2023.

    Covid-19. Turismo do Norte aponta Páscoa e verão de 2022 para “regresso à normalidade”

  • Covid-19. INEM está a receber mais chamadas desde o início do ano, com uma média de 4.300 por dia

    Aumento está relacionado com a subida dos números da pandemia de Covid-19 e a vaga de frio, diz o INEM. Com as recentes medidas de confinamento adotadas, “é expectável” que diminuam as ocorrências.

    Covid-19. INEM está a receber mais chamadas desde o início do ano, com uma média de 4.300 por dia

  • Liga estima quebra de 276 milhões de euros nas receitas do futebol profissional

    Os clubes notam “diminuição significativa” das receitas comerciais, sobrando apenas “a visibilidade na TV”, disse a diretora executiva da Liga Portuguesa de Futebol Profissional.

    Liga estima quebra de 276 milhões de euros nas receitas do futebol profissional

  • Covid-19. Pressão no internamento leva Centro Hospitalar de Leiria a disponibilizar mais 30 camas

    O Centro Hospitalar de Leiria anunciou a disponibilização de mais 30 camas em enfermaria, para um total de 202, devido ao novo crescimento de incidência no internamento de Covid-19.

    Covid-19. Pressão no internamento leva Centro Hospitalar de Leiria a disponibilizar mais 30 camas

  • Hospital de campanha de Lisboa recebe primeiros doentes no fim de semana

    O hospital de campanha da Cidade Universitária, em Lisboa, está pronto para receber dez doentes ligeiros de Covid-19 a partir de sábado e mais dez no domingo, foi hoje anunciado.

    Amanhã [sábado] serão dez doentes, no domingo abriremos a mais dez. Portanto, durante o fim de semana, poderemos receber 20 doentes. A partir da próxima semana iremos aumentando sucessivamente até atingir a lotação máxima de 58”, avançou à Lusa o coordenador da Estrutura Hospitalar de Contingência de Lisboa.

    António Diniz não precisou quantos profissionais estarão alocados ao hospital de campanha este fim de semana, mas garantiu que é “o número suficiente para assegurar o normal funcionamento”.Estrutura hospitalar de contingência de Lisboa, no Estádio Universitário de Lisboa, hoje visitada pela ministra da Saúde, Marta temido, Lisboa, 20 de janeiro de 2021.  JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

    O coordenador da estrutura afirmou também que, ao longo da próxima semana, será “iniciado o processo de equipamento” de um novo pavilhão, que demorará cerca de duas semanas a ficar concluído e cuja capacidade andará “à volta de 100 camas”.

  • Variante sul-africana detetada em Portugal

    O primeiro caso de Covid-19 associado à variante genética que surgiu na África do Sul já circula em Portugal, avança a TVI24 e a Lusa.

    O caso identificado em Portugal, em Lisboa, através da sequenciação genómica, foi já reportado pelo INSA às autoridades de saúde, que estão já “a realizar as devidas diligências para o rápido rastreio de contactos e interrupção da potencial cadeia de transmissão”, referiu o INSA.

  • Fundação justifica que autarca foi vacinado por ter contacto direto com utentes

    A fundação presidida pelo autarca de Reguengos de Monsaraz (Évora), José Calixto, justificou hoje a sua vacinação contra a Covid-19 por ser uma das pessoas que tem “contacto regular direto com os utentes” do lar.

    Em comunicado enviado à agência Lusa, a Fundação Maria Inácia Vogado Perdigão Silva (FMIVPS) explicou ter indicado para serem vacinados “todos os utentes, funcionários, administrativos, técnicos e dirigentes que têm contacto regular direto com os utentes”.

    Segundo a instituição, essa comunicação foi dada em “obediência às indicações recebidas pelas autoridades de saúde e da segurança social”.

    O critério recomendado pelas autoridades de saúde e consensualizado com a Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade para definir o universo a vacinar foi o do contacto próximo e regular com os utentes, sendo expressa a necessidade de incluir os membros das direções das instituições que mantivessem esse contacto próximo”, pode ler-se no comunicado.

  • "Atitude infeliz e irresponsável". PSD de Reguengos de Monsaraz condena vacinação de José Calixto

    A Comissão Política do PSD de Reguengos de Monsaraz condenou que José Calixto, Presidente da autarquia, se tenha vacinado contra a Covid-19 antes do tempo por não fazer parte de nenhum grupo prioritário.

    Presidente da Câmara de Reguengos de Monsaraz tomou vacina para a Covid-19 sem pertencer a qualquer grupo prioritário

    Em comunicado oficial da Comissão Política do PSD de Reguengos de Monsaraz, o partido afirma que atitude do autarca “é uma grande injustiça para os profissionais de saúde, prestadores de cuidados diretos a utentes de Lares, bombeiros e doentes de risco que, até à data, não foram vacinados”.

    O PSD de Reguengos de Monsaraz salienta que com “esta vacinação indevida” se abriu “um precedente gravíssimo que adultera o critério de prioridade estabelecido pela DGS para a toda a população”. E o partido diz mesmo que “com esta atitude infeliz e irresponsável”, o autarca “perde autoridade moral para fazer cumprir as diretivas da DGS” no concelho.

    Por sua vez, o partido defende que a vacinação deve ser administrada aos “mais expostos e aos mais vulneráveis”, sendo esses aqueles “que o Estado deve proteger urgentemente”.

  • Covid-19. Câmara do Porto suspende pagamento dos parquímetros em toda a cidade

    A Câmara do Porto decidiu hoje suspender o pagamento dos parquímetros a toda a cidade já a partir de segunda-feira e enquanto existirem restrições à circulação.

    Liderado pelo independente Rui Moreira, o município explicou que a decisão teve por base o anúncio do Governo de encerrar escolas e serviços públicos, regressando o país ao modelo de confinamento geral de março de 2020.

  • Covid-19. OMS e Pfizer assinam acordo para 40 milhões de vacinas

    O diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, anunciou hoje que a plataforma COVAX, de distribuição de vacinas contra a Covid-19, assinou um acordo com a Pfizer-BioNTechpara adquirir 40 milhões de vacinas.

    Numa conferência de imprensa virtual a partir de Genebra Tedros Adhanom Ghebreyesus disse também que espera que quase 150 milhões de vacinas AstraZeneca-Oxford estejam disponíveis para distribuição pela COVAX, plataforma liderada pela OMS para uma distribuição equitativa das vacinas contra a Covid-19, no primeiro trimestre deste ano.

  • "Sofrimento ético". Diretora do Serviço de Urgência do Santa Maria reage às fotografias das ambulâncias à porta do hospital

    Após terem sido divulgadas fotografias que mostram várias ambulâncias à porta do Hospital Santa Maria, Anabela Oliveira, diretora do Serviço de Urgência desse hospital, revela que existe um “sofrimento ético enorme por haver doentes em ambulâncias que precisam de ir para a urgência Covid”. Mas também admite que, neste momento, não existe “capacidade de internamento”.

    E relata à situação ao Observador: “Todas as semanas este hospital tem criado novas enfermarias. E todas as semanas têm sido preenchidas. Enquanto profissionais de saúde, sentimos uma grande pressão, muito sofrimento, porque realmente esta não é a medicina que gostamos de fazer”.

    O momento atual é, para a diretora do serviço de urgências, o “mais crítico da pandemia”. “O país está num cenário de grande pressão, para a qual ninguém estava preparado”, afirma. Anabela Oliveira é taxativa sobre o que vai acontecer se continuar a existir esta pressão: “O SNS vai colapsar se continuarmos a termos estes números”.

    Além disso, revela que cada vez mais nas urgências têm sido recebido “doentes moderados a graves” e “não são apenas idosos”. “Temos doentes dos 30 aos 80 anos”, assegura.

    Deixa também um apelo aos portugueses: “Os recursos não são ilimitados, as camas também não, é a montante que se tem de agir. Faço um apelo para que os portugueses cumpram as regras que estão preconizados no sentido de se evitarem os contágios”. “Esta é a única hipótese” de se retirar pressão ao SNS, preconiza Anabela Oliveira.

1 de 4