Democracia

A batalha pela linguagem /premium

Autor
461

O melhor esconderijo é onde ninguém se lembra de procurar: à vista de todos. Enquanto os olhares focarem na direita, poucos verão que o populismo habita sobretudo na esquerda à beira de tomar o poder.

As palavras têm uma força imensa – é através delas que construímos o nosso entendimento dos fenómenos sociais. É por isso que o combate político se ganha quase sempre controlando a linguagem. Fazê-lo é escolher o léxico com que se debate determinado fenómeno, é delimitar a primeira percepção geral sobre o problema em causa, é impor à partida uma visão política, é definir a ortodoxia. É, portanto, a forma mais eficaz de controlar a reflexão sobre um tema: normaliza um certo posicionamento político, impõe-no como senso-comum e, por fim, dificulta o aparecimento de visões alternativas, que passam a ser contra-intuitivas.

Lembrar que existem inúmeros casos na história de controlo político da linguagem é apenas dizer o óbvio – de uma forma ou de outra, foi sempre essa a ambição dos regimes autoritários. Mas é um erro de análise comum circunscrever a questão aos regimes autoritários, obcecados com o controlo populacional. Nas democracias liberais, a linguagem está no centro do combate político e cada partido faz os possíveis para conseguir normalizar a sua visão, para assim obter uma vantagem legítima sobre os adversários. Daí que os políticos recorram reiteradamente a frases sonantes e expressões originais. Daí que os partidos façam corridas para introduzir primeiro um tema na agenda. Daí que os partidos se estendam a várias organizações (como sindicatos), assim multiplicando os canais de transmissão da sua forma de ver o mundo e transmitindo uma falsa ideia de consenso em seu redor. Em Portugal, todos os partidos o fazem. Por exemplo, à direita, a expressão “geringonça” foi inscrita no debate com o propósito de descrever a maioria de apoio ao governo PS como algo atabalhoado e frágil. À esquerda, o uso reiterado de expressões como “precariedade” impôs um enquadramento para qualquer debate sobre legislação laboral.

Tudo isto é normal e legítimo num regime democrático. Onde se torna ilegítimo é quando o domínio da linguagem serve para ostracizar adversários e lhes retirar legitimidade política. Essa é uma fórmula anti-democrática, que converte adversários em inimigos, que transforma discordância em delito de opinião, e que aproxima o combate político de uma guerra total que visa a aniquilação do inimigo. E é isso que temos visto um pouco por todo o mundo à boleia dos populismos que procuram tomar conta do sistema político – polarização total e campanhas eleitorais focadas quase exclusivamente na destruição do campo oposto.

Em Portugal, observa-se uma caça-às-bruxas em busca das sementes do populismo anti-democrático – e não faltam alegados paladinos da democracia a acusar a direita de estar a conjecturar um ataque aos alicerces do regime (basta ler Francisco Louçã, Daniel Oliveira, Isabel Moreira, entre outros). O que é extraordinário é que essa caça-às-bruxas é, ela própria, a expressão maior do estado do populismo em Portugal: procura assentar o entendimento geral de que a direita não tem legitimidade democrática, dificulta a apresentação de alternativas políticas à direita e normaliza o radicalismo dos partidos eurocépticos da nossa esquerda.

Está em curso, portanto, uma batalha pelo domínio da linguagem, neste caso pela definição de “populismo”. Uma batalha que, como se percebeu na convenção do Bloco de Esquerda deste fim-de-semana, é fundamental para o processo de reabilitação dos bloquistas: a melhor forma de se apresentar como moderado (para chegar ao governo) é acusar os outros de radicalismo (na direita). Afinal, o melhor esconderijo é mesmo onde ninguém se lembra de procurar: à vista de todos. Enquanto os olhares estiverem a ser direccionados para a direita, poucos verão que as manifestações de populismo vêm, sobretudo, de uma esquerda que está à beira de tomar o poder.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Propinas

Altamente populista /premium

Alexandre Homem Cristo
418

Depois de lançar o debate sobre o fim das propinas, o ministro diz agora que a medida seria altamente populista. Este episódio poderia dar anedota, mas é antes um retrato do desgoverno nacional.

Política

Delitos de Opinião

António Cruz Gomes

Os políticos conhecem a interligação das suas três motivações: os interesses pessoal, partidário e nacional. É indesculpável que um dos primeiros tente afirmar-se, desrespeitando o último. 

Democracia

O custo da não-participação

Vicente Ferreira da Silva
158

Manter a liberdade e/ou a democracia é mais difícil do que a conquistar. Fará diferença, para quem não participa, viver em democracia ou em ditadura?

Democracia

Votos para 2019: Conversação civilizada /premium

João Carlos Espada

Os meus votos para 2019 são de re-descoberta das boas tradições demo-liberais fundadas na perpétua conversação civilizada entre perspectivas rivais, a “corrente de ouro” de que falava Churchill.

Mulher

A filha do feminismo

Daniela Silva

O insólito, inédito fardo que recai sobre a mulher exige repensar as prioridades valorizadas em sociedade e desafiar o paradigma igualitário que tem inspirado escolhas privadas e orientações políticas

Crónica

Na Caverna da Urgência

António Bento

A principal queixa do homem contemporâneo é a de uma permanente e estrutural sensação de «falta de tempo». Há uma generalização da urgência a todos os domínios da experiência e da existência moderna.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)