Rádio Observador

Enfermeiros

A greve do terror

Autor
  • Luis Teixeira
2.503

Não interessa para o caso a razão que possam ter, ou não, os enfermeiros. A estratégia que escolheram é malévola e inaugura em Portugal um estilo perigosíssimo de fazer greve.

A greve dos enfermeiros que começou no dia 22 de novembro, e que deve estender-se até ao final do ano, tem uma característica que a torna única: está limitada aos blocos operatórios dos cinco maiores centros hospitalares do país, em Lisboa, Porto, Coimbra e Setúbal. O objectivo dos promotores é impedir todas as cirurgias programadas nesses hospitais. E, de facto, desde que a greve começou, os blocos estão parados e as cirurgias não se realizam. Os sindicatos dizem que “esta é uma luta também pelos doentes”. Não é. Os enfermeiros querem mais empregos e melhores salários: um desejo legítimo mas que de nada serve a quem continua à espera da cirurgia que já devia ter sido feita. Os sindicatos também afirmam que a greve causa “constrangimentos económicos ao Estado”. É mentira. O Estado não sofre nada com a greve. Quem sofre são os doentes cujas cirurgias ficam por fazer.

Ao limitar a greve aos cinco maiores hospitais do país o objectivo é conseguir que o dinheiro reunido para sustentar os grevistas dure indefinidamente. Nas palavras dos próprios, a greve há-de ser “até quando o governo entender”. Há nisto um elemento de calculismo brutal. A estratégia dos sindicatos é concentrar todo o impacto da greve sobre um grupo de pessoas que, sem ter poder de decisão, é particularmente vulnerável. E esperar que o sofrimento dessas pessoas leve a opinião pública e o governo a cederem – por medo. Chama-se a isto terrorismo: “o agrupamento de duas ou mais pessoas que, em actuação concertada, visem … intimidar certas pessoas, grupos de pessoas ou a população em geral”. Não interessa para o caso a razão que possam ter, ou não, os enfermeiros. A estratégia que escolheram é malévola e inaugura em Portugal um estilo perigosíssimo de fazer greve.

Greve que foi convocada por dois sindicatos novos, fundados em 2017, o Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal e a Associação Sindical Portuguesa dos Enfermeiros. Sindicatos esses que foram, em setembro passado, afastados das negociações com o governo pela Federação Nacional dos Sindicatos dos Enfermeiros sob acusações de “abuso de confiança” e de estarem a “inquinar o processo”. Na sequência, os dois sindicatos dissidentes entabularam negociações separadas com o governo e convocaram agora esta greve, que desafia todos os cânones. Há em todo o processo parecenças perturbadoras com o aparecimento do STOP, o sindicato dos professores que, no último verão, chegou para ameaçar “luta a sério”. São movimentos em clara ruptura com o sindicalismo tradicional, que recrutam nas redes sociais e se alimentam de estratégias radicais de confronto e ameaça. Não sei a quem isso aproveita. Aos cidadãos não é certamente.

Médico

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Aquecimento Global

Uma terra sem amos

Luis Teixeira

Confesso. Não tenho nada contra campanhas pelo ambiente mas tenho contra os movimentos de “jovens”. A última vez que o Ocidente conheceu grandes movimentos de jovens os resultados não foram brilhantes

Extremismo

Fascismo nunca mais!

Luis Teixeira
1.410

A nossa esquerda radical cultiva abundantemente traços claramente fascistas. O ódio à burguesia. O amor pelos movimentos de massas. A criminalização dos comportamentos. A defesa despudorada da censura

ADSE

A saúde é um negócio

Luis Teixeira
205

Não há nenhuma evidência de que impedir organizações privadas na saúde melhore os cuidados. Pelo contrário: o monopólio estatal traduz-se geralmente em iniquidade, desperdício e nepotismo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)