Rádio Observador

Serviço Nacional de Saúde

Porque fazem greve os enfermeiros portugueses?

Autor
  • Humberto Domingues

Querer ter melhores condições de carreira e remunerações para esta classe profissional é também investir em profissionais motivados. E isso é querer atender, tratar, cuidar e reabilitar melhor.

No passado de Outubro várias greves aconteceram no sector da Saúde, protagonizadas pelos enfermeiros portugueses. Com essas greves, inúmeros incómodos foram criados aos utentes/doentes/famílias e o mais mediático, foi a não realização de muitas cirurgias e adiamento de cirurgias do âmbito oncológico.

A greve traz transtornos aos serviços e aos utentes destes serviços, que no fundo, são a razão da existência dos mesmos. Então, porque fazem greve os enfermeiros portugueses? Parece-me importante, dar a conhecer à sociedade, de entre outras razões, as seguintes, pelas quais os enfermeiros portugueses fazem greve:

  • Lutam pela dignificação e respeito pelos cuidados de saúde que prestam e exigem respeito do Serviço Nacional de Saúde, pelos políticos e pelo governo;
  • São funcionários da administração pública, licenciados e muitos com mestrado e doutoramento, com valor remuneratório de ingresso mais baixo, mal remunerado ao longo de toda a carreira, em comparação com outras classes e carreiras;
  • Não possuem uma carreira profissional digna e actual;
  • Não progridem nas suas carreiras há cerca de 14 anos (13 anos, 9 meses e muitos dias, alguns até mais);
  • A situação existente (carreira?) não contempla as categorias diferenciadas de enfermeiro especialista e enfermeiro-chefe/gestor;

Interessa dizer que os enfermeiros portugueses quando exigem o aumento do número de enfermeiros, o respeito e cumprimento das dotações seguras por serviço e maior número de enfermeiros por turno, é para poderem tratar melhor dos seus utentes/doentes/famílias.

Não tenhamos dúvidas: quanto menor for o número de enfermeiros nos serviços e unidades, por não cumprimento das dotações seguras (por questões economicistas ou outras), pondo em risco potencial a qualidade dos cuidados de saúde prestados, pior serão tratados os utentes/doentes/famílias. Há uma consequente degradação dos cuidados e diminuição do tempo útil e possível que o enfermeiro passa junto dos seus pacientes, começando só a haver o “tratar e reabilitar” doentes, depois da doença instalada e, inequivocamente, deixando de haver prevenção.

É minha convicção, que os enfermeiros portugueses defendem o Serviço Nacional de Saúde-SNS, inquestionavelmente! Mas defendem um SNS onde a equidade seja uma realidade. Que não seja sub-orçamentado, em favor de milhões de euros injectados numa banca falida. Numa subalternização e submissão aos interesses privados na saúde.

Os enfermeiros portugueses querem unidades, hospitais e centros de saúde do SNS bem equipados, dignos e com boas condições, para melhor poderem acolher, acomodar, tratar e cuidar os seus utentes/doentes e famílias. Onde possam pôr ao serviço do cidadão todas as suas capacidades e competências profissionais, onde possam exercer a sua capacidade de gestão, de investigação e de parceria com o seu conhecimento e evidência científica, no seio das equipas multidisciplinares.

Os enfermeiros portugueses querem atender, tratar e cuidar melhor os cidadãos, querem trabalhar ainda mais na prevenção, querem desenvolver mais intervenções e educação para a saúde nas escolas, na sociedade e na comunidade. Querem mais investimento na modernização dos equipamentos e instalações postas ao serviço dos cidadãos. Querem as mesmas oportunidades de tratamento e reabilitação para os cidadãos, sejam eles do norte ou do sul, do litoral ou do interior, ou áreas metropolitanas.

Os enfermeiros portugueses têm uma profissão que acompanha a pessoa, em todos os momentos do ciclo vital, desde o nascimento até à morte. Querer ter melhores condições de carreira e remunerações para esta classe profissional, é também investir em profissionais motivados. E isso é querer e desejar atender, tratar, cuidar e reabilitar melhor. Estamos ao serviço da vida! E queremos melhor saúde para todos.

Enfermeiro Especialista em Saúde Comunitária

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Greve

Enfermeiros: Presidente traiu o dever de isenção 

Humberto Domingues
2.817

O Presidente da República traiu o seu dever da isenção, num programa de televisão, qualificando algumas questões profundas, com um discurso pobre, superficial, tendencioso, daninho e danoso.

Serviço Nacional de Saúde

SNS: Os Humanos

Fernando Leal da Costa

O Ministério não valoriza os seus melhores. Paradoxalmente, demoniza o recurso a todo o sistema, afunila a procura para um SNS saturado e, ao mesmo tempo, não valoriza os recursos humanos que tem.

Politicamente Correto

Os filhos do Vasco Granja /premium

Helena Matos

O reitor proibiu a carne de vaca. Os alunos se pudessem proibiam toda a carne. Em Portugal, eles são os filhos e netos do Vasco Granja. Gerações que, entre muita animação, estão a impor uma ditadura.

Turismo

A turistificação da economia algarvia

António Covas

Não é tarefa fácil falar de diversificação da base económica regional quando a atividade turística é aquela que remunera mais rapidamente as pequenas poupanças e os pequenos investimentos realizados.

Novo Acordo Ortográfico

Uma comunidade às avessas

José Augusto Filho

Da forma em que foi conduzido, o Acordo serve mais para enfraquecer a língua de Camões do que para disseminá-la. Quanto aos ganhos políticos e económicos esperados, foram até agora praticamente nulos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)