Serviço Nacional de Saúde

Porque fazem greve os enfermeiros portugueses?

Autor
  • Humberto Domingues

Querer ter melhores condições de carreira e remunerações para esta classe profissional é também investir em profissionais motivados. E isso é querer atender, tratar, cuidar e reabilitar melhor.

No passado de Outubro várias greves aconteceram no sector da Saúde, protagonizadas pelos enfermeiros portugueses. Com essas greves, inúmeros incómodos foram criados aos utentes/doentes/famílias e o mais mediático, foi a não realização de muitas cirurgias e adiamento de cirurgias do âmbito oncológico.

A greve traz transtornos aos serviços e aos utentes destes serviços, que no fundo, são a razão da existência dos mesmos. Então, porque fazem greve os enfermeiros portugueses? Parece-me importante, dar a conhecer à sociedade, de entre outras razões, as seguintes, pelas quais os enfermeiros portugueses fazem greve:

  • Lutam pela dignificação e respeito pelos cuidados de saúde que prestam e exigem respeito do Serviço Nacional de Saúde, pelos políticos e pelo governo;
  • São funcionários da administração pública, licenciados e muitos com mestrado e doutoramento, com valor remuneratório de ingresso mais baixo, mal remunerado ao longo de toda a carreira, em comparação com outras classes e carreiras;
  • Não possuem uma carreira profissional digna e actual;
  • Não progridem nas suas carreiras há cerca de 14 anos (13 anos, 9 meses e muitos dias, alguns até mais);
  • A situação existente (carreira?) não contempla as categorias diferenciadas de enfermeiro especialista e enfermeiro-chefe/gestor;

Interessa dizer que os enfermeiros portugueses quando exigem o aumento do número de enfermeiros, o respeito e cumprimento das dotações seguras por serviço e maior número de enfermeiros por turno, é para poderem tratar melhor dos seus utentes/doentes/famílias.

Não tenhamos dúvidas: quanto menor for o número de enfermeiros nos serviços e unidades, por não cumprimento das dotações seguras (por questões economicistas ou outras), pondo em risco potencial a qualidade dos cuidados de saúde prestados, pior serão tratados os utentes/doentes/famílias. Há uma consequente degradação dos cuidados e diminuição do tempo útil e possível que o enfermeiro passa junto dos seus pacientes, começando só a haver o “tratar e reabilitar” doentes, depois da doença instalada e, inequivocamente, deixando de haver prevenção.

É minha convicção, que os enfermeiros portugueses defendem o Serviço Nacional de Saúde-SNS, inquestionavelmente! Mas defendem um SNS onde a equidade seja uma realidade. Que não seja sub-orçamentado, em favor de milhões de euros injectados numa banca falida. Numa subalternização e submissão aos interesses privados na saúde.

Os enfermeiros portugueses querem unidades, hospitais e centros de saúde do SNS bem equipados, dignos e com boas condições, para melhor poderem acolher, acomodar, tratar e cuidar os seus utentes/doentes e famílias. Onde possam pôr ao serviço do cidadão todas as suas capacidades e competências profissionais, onde possam exercer a sua capacidade de gestão, de investigação e de parceria com o seu conhecimento e evidência científica, no seio das equipas multidisciplinares.

Os enfermeiros portugueses querem atender, tratar e cuidar melhor os cidadãos, querem trabalhar ainda mais na prevenção, querem desenvolver mais intervenções e educação para a saúde nas escolas, na sociedade e na comunidade. Querem mais investimento na modernização dos equipamentos e instalações postas ao serviço dos cidadãos. Querem as mesmas oportunidades de tratamento e reabilitação para os cidadãos, sejam eles do norte ou do sul, do litoral ou do interior, ou áreas metropolitanas.

Os enfermeiros portugueses têm uma profissão que acompanha a pessoa, em todos os momentos do ciclo vital, desde o nascimento até à morte. Querer ter melhores condições de carreira e remunerações para esta classe profissional, é também investir em profissionais motivados. E isso é querer e desejar atender, tratar, cuidar e reabilitar melhor. Estamos ao serviço da vida! E queremos melhor saúde para todos.

Enfermeiro Especialista em Saúde Comunitária

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Greve

Enfermeiros: Presidente traiu o dever de isenção 

Humberto Domingues
2.817

O Presidente da República traiu o seu dever da isenção, num programa de televisão, qualificando algumas questões profundas, com um discurso pobre, superficial, tendencioso, daninho e danoso.

Serviço Nacional de Saúde

Na defesa do IPO de Lisboa

Fernando Leal da Costa
550

O IPO de Lisboa, os seus doentes e quem deles cuida, precisam de quem os defenda. Há urgência em contratar pessoal para que se resolver a lista de espera e, sobretudo, que se construa o novo edifício.

Lisboa

Querido, mudei a Avenida!

Víctor Reis

O que se quer fazer no quarteirão da Portugália na Almirante Reis faz-nos regressar a um tempo do urbanismo alfacinha ultrapassado há mais de 30 anos: o casuísmo e desrespeito pela morfologia da cidade

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)