Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

No passado de Outubro várias greves aconteceram no sector da Saúde, protagonizadas pelos enfermeiros portugueses. Com essas greves, inúmeros incómodos foram criados aos utentes/doentes/famílias e o mais mediático, foi a não realização de muitas cirurgias e adiamento de cirurgias do âmbito oncológico.

A greve traz transtornos aos serviços e aos utentes destes serviços, que no fundo, são a razão da existência dos mesmos. Então, porque fazem greve os enfermeiros portugueses? Parece-me importante, dar a conhecer à sociedade, de entre outras razões, as seguintes, pelas quais os enfermeiros portugueses fazem greve:

  • Lutam pela dignificação e respeito pelos cuidados de saúde que prestam e exigem respeito do Serviço Nacional de Saúde, pelos políticos e pelo governo;
  • São funcionários da administração pública, licenciados e muitos com mestrado e doutoramento, com valor remuneratório de ingresso mais baixo, mal remunerado ao longo de toda a carreira, em comparação com outras classes e carreiras;
  • Não possuem uma carreira profissional digna e actual;
  • Não progridem nas suas carreiras há cerca de 14 anos (13 anos, 9 meses e muitos dias, alguns até mais);
  • A situação existente (carreira?) não contempla as categorias diferenciadas de enfermeiro especialista e enfermeiro-chefe/gestor;

Interessa dizer que os enfermeiros portugueses quando exigem o aumento do número de enfermeiros, o respeito e cumprimento das dotações seguras por serviço e maior número de enfermeiros por turno, é para poderem tratar melhor dos seus utentes/doentes/famílias.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Não tenhamos dúvidas: quanto menor for o número de enfermeiros nos serviços e unidades, por não cumprimento das dotações seguras (por questões economicistas ou outras), pondo em risco potencial a qualidade dos cuidados de saúde prestados, pior serão tratados os utentes/doentes/famílias. Há uma consequente degradação dos cuidados e diminuição do tempo útil e possível que o enfermeiro passa junto dos seus pacientes, começando só a haver o “tratar e reabilitar” doentes, depois da doença instalada e, inequivocamente, deixando de haver prevenção.

É minha convicção, que os enfermeiros portugueses defendem o Serviço Nacional de Saúde-SNS, inquestionavelmente! Mas defendem um SNS onde a equidade seja uma realidade. Que não seja sub-orçamentado, em favor de milhões de euros injectados numa banca falida. Numa subalternização e submissão aos interesses privados na saúde.

Os enfermeiros portugueses querem unidades, hospitais e centros de saúde do SNS bem equipados, dignos e com boas condições, para melhor poderem acolher, acomodar, tratar e cuidar os seus utentes/doentes e famílias. Onde possam pôr ao serviço do cidadão todas as suas capacidades e competências profissionais, onde possam exercer a sua capacidade de gestão, de investigação e de parceria com o seu conhecimento e evidência científica, no seio das equipas multidisciplinares.

Os enfermeiros portugueses querem atender, tratar e cuidar melhor os cidadãos, querem trabalhar ainda mais na prevenção, querem desenvolver mais intervenções e educação para a saúde nas escolas, na sociedade e na comunidade. Querem mais investimento na modernização dos equipamentos e instalações postas ao serviço dos cidadãos. Querem as mesmas oportunidades de tratamento e reabilitação para os cidadãos, sejam eles do norte ou do sul, do litoral ou do interior, ou áreas metropolitanas.

Os enfermeiros portugueses têm uma profissão que acompanha a pessoa, em todos os momentos do ciclo vital, desde o nascimento até à morte. Querer ter melhores condições de carreira e remunerações para esta classe profissional, é também investir em profissionais motivados. E isso é querer e desejar atender, tratar, cuidar e reabilitar melhor. Estamos ao serviço da vida! E queremos melhor saúde para todos.

Enfermeiro Especialista em Saúde Comunitária